A verdade acima de todas as coisas.

Eu terminei há pouco de ler o livro “Jogando Para Vencer“, de John Wooden e Steve Jamison, um bom livro sobre liderança, competitividade e exemplo. O que mais me chama atenção no título do livro, e que se mostra no estilo Wooden é que o livro é sobre vencer, e não sobre ganhar. E, vencer não é só ganhar. Vencer tem a ver com sucesso, com dedicação e esforço que, muitas vezes vão além de apenas ganhar uma partida.

John Wooden foi técnico de basquete universitário nos Estados Unidos.

John Wooden foi jogador de basquete e atuou como técnico por mais de quatro décadas. Foi considerado treinador do século pela ESPN e suas lições no esporte são aplicadas como exemplo de liderança em todos os setores. Infelizmente, morreu em junho de 2010, aos 99 anos.

Entre as partes que mais me chamaram atenção no livro, o que Wooden chama de “A doutrina de meu pai em sete itens”, acredito eu é um checklist de liderança e de melhoria contínua, que certamente vale passar para frente e seguir. Aí estão elas:

  1.  Seja verdadeiro consigo mesmo;
  2. Ajude os outros;
  3. Faça de cada dia sua obra prima;
  4. Leia bons livros, sobretudo a bíblia;
  5. Transforme a amizade em uma arte;
  6. Construa um abrigo para os seus dias de chuva; e
  7. Ore todos os dias para pedir orientação e agradecer as bençãos que recebeu.

Eu vou, em uma série de posts, falar um-a-um sobre esses mandamentos de vida. Acredito que, todos eles possuem a capacidade de despertar o espírito de liderança em todos nós e, nos ajudarmos a ser 1% melhor diariamente, algo que eu acredito deveria ser a meta de todos nós.

Porém, antes de começar a falar sobre o primeiro item, quero deixar um pequeno vídeo de Wooden no TED, em 2001, que mostra a genialidade e o cérebro brilhante por trás do treinador de basquete que levou a equipe da UCLA a feitos incríveis.

Bem, o primeiro item da lista de “Sete doutrinas” é seja verdadeiro consigo mesmo.

Eu acredito muito em sermos pessoas (e empresas, produtos e marcas) coerentes. Ser coerente é ter suas atitudes da mesma maneira com aquilo que você prega. Ou seja, ser na ação, aquilo que dizemos com palavras, que somos. Essa é a primeira características para que você chegue ao seu objetivo.

Alguns escândalos sexuais nos dão a noção de importância da coerência. Eu não consigo enxergar nenhum motivo lógico ou racional para explicar os motivos pelos quais os padres não podem se casar. Obviamente, como tudo que é escuso na conduta de Jesus, a igreja sabiamente consegue um jeito de explicar isso através de dogmas e proibições. Mas a verdade é que não existe nenhuma explicação racional para isso.

Porém, acontece que a carreira de padre, acabou por ser um refúgio para alguns homossexuais que as famílias eram rígidas demais e nunca iriam aceitar a sua conduta que acreditam ser “infame”. Acho que isso é uma maneira de explicar os escândalos sexuais que nos últimos cinco anos vieram estourando mundo a fora e mostrando que, por trás de alguns padres, alguns religiosos, a batina fez apenas aflorar um sentimento ainda mais estranho como a pedofilia. E centenas de padres – e religiosos acima deles, que não sei o nome – mostraram-se monstros, praticando atos com crianças que, em que seus sermões diários condenavam absolutamente.

A primeira pergunta que poderia vir dessa atitude é: se padres não podem casar e, aconselham seus fiéis a só praticarem o ato sexual após o casamento, por que cargas d’água estão praticando atos sexuais? O segundo questionamento seria: se os padres em seus sermões explicam a bíblia e o fato de termos que proteger as crianças, porque diabos eles estão molestando essas mesmas crianças?

Essa atitude não é coerente.

Da mesma maneira, para não dizer que eu estou condenando a igreja católica, temos os pastores evangélicos. Esses sim, podem casar. Mas, defendem a fidelidade. E, praticam a infidelidade junto com algumas fiéis. Fiéis estas, casadas. Aonde está a coerência nos líderes religiosos que, em muitos casos são pilares para famílias inteiras e exemplos para alguns jovens?

Eu não vou mencionar o fato do dízimo na igreja evangélica. Nem dizer nada sobre lavagem de dinheiro, nem o luxo que pastores vivem. Ah! E nem estou dizendo que os comportamentos acima, de padres e pastores é comum. Estou dizendo apenas que eles existem. É só procurarmos nos jornais.

Será que existe um caminho para a coerência? Qual a maneira de não criarmos uma armadilha para nós mesmos e, trilharmos o caminho aonde palavras e atitude se completam?

Coerência, ser verdadeiro consigo mesmo, tudo isso tem a ver com autoconhecimento.

Precisamos conhecer muito bem as nossas atitudes, ser sincero com aquilo que fazemos e aquilo que achamos que fazemos. No fundo, sabemos quando estamos trilhando um caminho correto, quando estamos dizendo algo que não condiz com nossas atitudes. A verdade é que, não podemos nos supervalorizar, porque na grande maioria das vezes, não somos tão bons quanto pensamos e, ainda temos um longo caminho a percorrer.

Precisamos ter compromisso com a verdade. Primeiro com a verdade para nós mesmos. Depois, precisamos nos conhecer, jogar limpo com o que acreditamos que somos e o que realmente somos. Somente assim, conseguiremos atingir a coerência e sermos aquilo que pregamos.

É impossível traçar um caminho até o sucesso, seja qual for o significado dele para você, sem jogar limpo consigo mesmo. Sem aceitar as limitações, os erros, as fraquezas e a insignificância é impossível evoluir e ser melhor do que ontem hoje, todos os dias.

Eu acredito que todos precisamos ter princípios em nossas vidas. Eu mesmo já falei disso aqui. E, se você não fizer uma auto-avaliação a todo momento e for verdadeiro sobre seu comportamento, sobre as suas metas e, principalmente se você está agindo de acordo com aquilo que pensa, que programou e que se propôs, vai ser difícil sair do lugar e realmente demonstrar alguma melhora.

Você pode mentir para você mesmo, fazer da sua vida uma farsa e, não chegar a lugar algum. Ou pode ser sincero consigo mesmo, aceitar o que precisa melhorar, buscar ser melhor diariamente e, quem sabe conseguir atingir a sua definição de sucesso. Mentindo, mesmo que para tentar enganar nos enganarmos, só estamos nos auto-sabotando e, prejudicando o nosso autoconhecimento, que é a única coisa que pode fazer com que atinjamos aquilo que um dia definimos como sucesso.

A mentira distorce o nosso caminho. A verdade é a única maneira de corrigirmos erros e tropeços antes que seja tarde demais. Seja verdadeiro consigo mesmo, antes que você tenha se transformado em um personagem e não se reconheça mais. A verdade leva à coerência e ao autoconhecimento.

Desenvolvendo o verdadeiro espírito da liderança.

Eleanor Roosevelt uma vez disse: “Um bom líder inspira as pessoas a terem confiança no líder, um grande líder inspira as pessoas a terem confiança em si mesmos”. Mas, se transformar em um grande líder não está fácil. Construir uma equipe de sucesso através dos altos e baixos de uma liderança pode ser um dos maiores desafios enfrentados por micro, pequenas, médias e até grandes empresas.

Liderança é uma das áreas que muitos empresários tendem a negligenciar, de acordo com o coach em liderança John Maxwell, cujos livros incluem: As 21 irrefutáveis leis da liderança Desenvolvendo o Líder dentro de você.

“Você trabalha duro para desenvolver seu produto ou serviço. Você luta para resolver seus problemas financeiros. Você sai, promove o seu negócio e vende o seu produto. Mas você não pensa o suficiente sobre liderar o seu próprio pessoal e encontrar a melhor equipe”, diz Maxwell.

Acontece que, as habilidades e talentos necessários para orientar a sua equipe na direção certa podem ser simples, e qualquer pessoa com determinação pode desenvolvê-las. Sendo assim, aqui vai uma uma lista de dez dicas para conseguir desenvolver o seu poder de liderança.

#1. Montar uma equipe dedicada.

A sua equipe tem que estar comprometida com você e com os negócios. Empreendedores bem sucedidos não têm apenas a expertise comercial, mas também o know-how para contratar de forma eficaz. “A ideia de um negócio colossal simplesmente não é suficiente. Você tem que ser capaz de identificar, atrair e reter talentos que podem transformar o seu conceito em um sucesso”. Saiba mais sobre desenvolver uma equipe de vendas matadora.

Ao montar a sua equipe, olhe para as pessoas cujos valores estão alinhados com o propósito e missão de sua empresa. Suzanne Bates, uma consultora de liderança, diz que os membros de sua equipe precisam acreditar naquilo que o líder faz. “Ter pessoas em sua equipe que têm tenacidade e espírito sincero é realmente importante”, diz ela.

#2. Super Comunicação.

Este é uma grande característica. Mesmo com uma equipe de apenas cinco ou dez pessoas, pode ser difícil saber o que está acontecendo com todos. Em um esforço para uma integração da comunicação, Bates compila uma atualização de notícias semanais ela chama de Previsão de Sexta-Feira, e envia por e-mail para sua equipe. “Minha equipe é sempre surpreendida com todas as notícias do mercado”, diz Bates. O importante é fazer as pessoas se sentirem informadas sobre o mercado. Afinal, o conhecimento é o grande diferencial do mercado.

#3. Não assuma.

Quando você tem negócio, você pode fazer com que sua equipe compreenda e assuma seus objetivos e missão – e eles podem. Mas, todo mundo precisa ser lembrado para aonde a empresa está indo e o que vai acontecer quando vocês chegarem lá. Seus funcionários podem perguntar: “O que tem lá para mim?”. É importante saber descrever esse cenário para todos da equipe. Aproveite o tempo para realmente entender as pessoas que estão ajudando a construir o seu negócio, e para saber o papel delas no futuro da organização.

#4. Seja autêntico.

Bons líderes incutem suas personalidades e crenças no DNA da sua organização. Se você ser é autêntico, e não tenta agir como outra pessoa, e se cerca de pessoas que estejam alinhadas com seus valores, seu negócio tem mais chances de ter sucesso.

Cada empresa é diferente e cada empreendedor tem sua própria personalidade, diz Flaxington. Se você é autêntico, você atrai as pessoas certas para sua organização. Tanto os funcionários quanto os clientes.

#5. Conheça os seus obstáculos.

A maioria dos empreendedores estão otimistas e certos de que estão dirigindo em direção a seus objetivos. Mas, muitas vezes, acaba por ser um líder míope que não toma o tempo para entender seus obstáculos.

Você precisa saber o em que você está indo de encontro e, ser capaz de planejar em torno dos imprevistos. É loucura pensar que só porque o empreendedor tem energia e entusiasmo, que você vai ser capaz de conquistar tudo. É muito mais inteligente dar um passo para trás e descobrir quais são os obstáculos, para depois enfrentá-los de frente.

#6. Criar uma direção para a equipe.

Muitas novas equipes de corrida, antes mesmo de descobrir quem são, onde eles estão indo, e o que vai orientar a sua viagem, diz Ken Blanchard, têm um local de trabalho e uma time de liderança de treinamentos. Apenas chamar uma equipe e dar-lhes uma meta não significa que a equipe terá sucesso e a meta será atingida.

É importante para criar um um planejamento que mostra claramente o que a sua equipe irá realizar, e como a equipe irá trabalhar em conjunto para alcançar os resultados desejados. Isso é muito importante.

#7. Acredite em seu pessoal.

Os líderes devem ajudar seu povo a desenvolver a confiança, especialmente durante tempos difíceis. Como Napoleão Bonaparte disse: “Os líderes são negociantes de esperança”. Essa confiança vem em parte de acreditar na sua equipe. Mas acreditar nas pessoas não é suficiente. Você tem que ajudá-las a vencer.

#8. Mantenha sua equipe engajados.

Grandes líderes dão desafios para as suas equipes e os mantém animados e comprometidos com elas, diz o especialista em liderança Stephen Covey. Ele apontou o exemplo de uma pizzaria de médio porte, em uma pequena cidade, que estava matando uma grande cadeia de fast-food nas vendas. A grande diferença entre eles era o líder, afirmou Stephen.

Toda semana ele reunia seus funcionários adolescente e animadamente perguntava-lhes: O que podemos fazer nesta semana que nunca fizemos antes? As crianças adoraram o desafio. Eles começaram a enviar mensagens de texto para todos os seus amigos sempre que começávamos algo especial. Levaram a máquina de cartão de crédito para a calçada para os motoristas poderem comprar pizza direto da rua. Eles carregaram um caminhão com as pizzas vendeu tudo nos jogos universitários. Não é de se admirar que o empreendedor, dono da pizzaria nunca teve problemas com a rotatividade de funcionários.

Liderança não é uma tarefa fácil. Ser exemplo para os funcionários menos ainda. Porém, você já sabe o principal que precisa colocar no seu check list da liderança.

O guia definitivo para o processo de marketing nas empresas.

A ciência do marketing é uma matéria muito marginalizada por aqui. Digo isso porque, a grande maioria das agências e dos consultores chamam de marketing uma coisa que ele não é: a a propaganda e publicidade. As pessoas resumem o marketing a apenas essa matéria. Publicitários se denominam marketeiros e, hoje até programadores também se denominam marketeiros.

Que pena.

Digo isso porque marketing é muito mais do que só isso. É muito mais do que soltar um anúncio na TV, fazer um spot em um rádio, ou uma página dupla na Veja. Isso, de marketing não tem nada. A lógica do consumo não funciona como as agências de publicidade acreditam: com mulheres gostosas em propagandas de cerveja, com gente estilosa fazendo propaganda de cigarros. As marcas de cerveja adoram colocar as mulheres no topo de suas propagandas, achando que o apelo sexual são os melhores incentivos de marketing.

Bem, quanto a isso, Martin Lindstrom já demonstrou em seu livro “A Lógica do Consumo”, que não procede. O apelo sexual não é decisivo. Não é ele que impulsiona a decisão. No mês de Outubro, pela primeira vez a Cervejaria Petrópilis (fabricante de Crystal e Itaipava), ultrapassou o Grupo Schincariol e ocupa a vice-liderança das vendas de cerveja.

Parando para pensar a respeito, a Itaipava é uma das poucas cervejas em que a sua propaganda não abusa da conotação sexual, como a grande maioria das outras (como a Devassa). Isso acontece porque a estratégia da marca é atingir as mulheres. Itaipava foi uma cerveja que correu por fora para abocanhar um mercado que muitas outras empresas deixaram de olhar e, assim firmar-se no seu segmento. E esse mercado é das mulheres. E funciona. Funciona primeiro porque a Itaipava é uma cerveja mais fraca do que as outras, porque muitas mulheres acham a cerveja amarga, forte e isso as desestimula a comprar a Brahma ou a Atarctica, por exemplo. Mas não as desestimula comprar Itaipava.

Essa estratégia de focar em um grupo que ainda não foi 100% atendido e que carece de atenção funcionou muito bem com a Itaipava. Conheço mulheres e, tenho muitas amigas que adoram essa cerveja, fazendo com que, quando ela não é a preferida, seja a segunda opção (á frente de Skol e Antarctica), o que fez com que a cervejaria que a produz, conseguisse pela primeira vez desde a sua fundação ultrapassar o Grupo Schincariol, que sempre ocupou o segundo lugar após a líder de mercado AbInbev.

Essa história que eu contei, de posicionamento de produto, de personalização de uma mercadoria, de preenchimento de uma lacuna, ao ser comparado com uma peça publicitária é sim um trabalho de marketing. Isso pode ser chamado de marketing, porque envolveu um processo completo de estratégia, desenvolvimento e personalidade de uma marca que, isso sim é o trabalho do marketing.

Marketing, assim como a venda, é uma ciência e, como tal tem um processo. É claro que, no caso acima, a Itaipava fez televisão, fez revistas, fez propaganda em jornal, etc. Mas, isso é só um braço do marketing. A comunicação, a divulgação é apenas MAIS uma das atividades que ficam sob as asas do marketing, e não a ÚNICA atividade.

Bem, diariamente eu presencio conversas do tipo: “Precisamos fazer marketing. Vamos fazer um anúncio no jornal, ou quem sabe uma ou duas emissoras de TV”. E quando eu escuto isso, meu ouvido dói e, meu estômago embrulha, porque infelizmente a grande maioria das pessoas encaram o marketing como propaganda.

Mas, no fundo eu sei que não posso culpar a essas pessoas. Elas estão apenas reproduzindo aquilo em que escutam todos os dias. Que publicidade, propaganda, anúncios é igual a marketing. E por um lado, elas até estão certas. Porque esses profissionais (do marketing) agem como se fosse tudo a mesma coisa, tudo a mesma droga. Eles esquecem do processo do marketing, das etapas, da finalidade do marketing e lembram apenas a comunicação.

É claro que, em sua defesa eles vão dizer que a comunicação é aquilo que os clientes mais percebem, porque eles podem ver os comerciais, os espaços publicitários. Porém, por outro lado, uma comunicação que não passa a mensagem do produto, que não passa a mensagem da marca não tem sentido.

Mas, esse não é apenas um problema do marketing. É um problema da gestão de marcas.

Eu conheço pouquíssimas empresas (será que eu realmente conheço alguma?), que têm dado atenção a área de Branding. Da mesma maneira que eles não entendem que a propaganda é um auxiliar do marketing, eles não entendem que o marketing é um auxiliar do branding e, que o branding é que vai realmente mostrar às pessoas quem é a sua marca, o que ela veio trazer e, qual é a sua personalidade.

Bem, mas por hora eu vou deixar o branding de lado. Vou falar do marketing. Parece que as pessoas não sabem qual a função do marketing. Afinal, marketing é comprar um espaço na Globo e pagar alguns milhões para alguma agência de publicidade fazer algum trabalho bonito pra que a gente possa vender mais no natal.

E aí, todo mundo coloca tudo no mesmo cesto. Marketing, publicidade, propaganda, etc. Acaba que até o arte-finalista que faz um panfleto vai se achando marketeiro.

Vale dizer que, não estou criticando a publicidade. Seu que as agências recebem briefing e que, temos algumas agências razoáveis por aí. Porém, temos agência de publicidade que se dizem de marketing fazendo muita cagada Brasil a fora porque entendem apenas de produzir anúncio. E o pior é que, se a empresa não tiver um setor de marketing razoavelmente bom, eles vão sendo enganados por essa turma.

Afinal, eles foram ensinados assim. Marketing, publicidade, é tudo a mesma coisa.

Uma coisa a publicidade não é. Ela não é marketing. E uma coisa o marketing não é. Ele não é APENAS publicidade. Na verdade, o objetivo central do marketing pode ser resumido em um só. Marketing serve para criar relacionamento. Todo marketing é marketing de relacionamento.

Os livros, os professores, os escritores, os sites dizem que existem milhares de tipos de marketing (cybermarketing, ecomarketing, e-mail marketing, endomarketing, geomarketing, marketing 1-a-1, marketing ambiental, marketing direto, marketing promocional, marketing boca-a-boca, marketing cinematográfico, marketing concentrado, marketing cultural, marketing de experiência, marketing de fidelização, marketing de guerrilha, marketing de incentivo, marketing de massa, marketing de nicho, marketing de proximidade, marketing de retenção, marketing de serviços, marketing de transação, marketing de valor, marketing de varejo, marketing diferenciado, marketing digital, marketing emocional, marketing experiencial, marketing focado no cliente, marketing indiferenciado, marketing online, marketing institucional, marketing interativo, marketing internacional, marketing líquido, marketing político, marketing reverso, marketing sensorial, marketing viral, neuromarketing, transmarketing, webmarketing, yadda, yadda, yadda, etc.).

Caramba! Quanto marketing. Na verdade, existe apenas um tipo de marketing, que é o marketing boca-a-boca. Você precisa se RELACIONAR com seu cliente (ajudando-o a ser bem sucedido, a ser feliz, a encontrar a melhor solução), para que ele ENXERGUE a sua empresa como diferente, como uma empresa única na criação de valor e fale para a família, para os amigos e para o seu círculo de influência, gerando assim o boca-a-boca. Portanto, a sua marca, a sua empresa não pode apenas se posicionar como uma vendedora disso ou daquilo. Mas sim como uma especialista na sua área, fazendo negócios de uma maneira DIFERENTE, para que o cliente a perceba de uma maneira DIFERENTE e você consiga manter relacionamento com ela porque realmente a sua marca é DIFERENTE.

Esse é o objetivo do marketing. CRIAR, ESTREITAR, MELHORAR, ESTABELECER, AJUDAR no relacionamento com os clientes, e toda a comunidade. E isso é muito mais do que peças publicitárias. Isso é muito mais do que fazer anúncios, imprimir panfletos, fazer uma fachada ou criar promoções.

Isso é sobre fazer a comunicação correta, fazer o anúncio correto, fazer o panfleto correto, fazer a fachada correta e, saber se realmente é necessário fazer uma promoção. O marketing precisa, através do relacionamento com os clientes criar valor a sua marca e, para isso, todos os fatores precisam convergir na mesma direção para que a sua marca, a sua empresa tenha personalidade própria e, converse da maneira adequada e COERENTE com toda a comunidade.

Por isso, toda a modalidade do marketing é baseada em RELACIONAMENTOS. O problema é que, muitas marcas fazem todo o tipo de marketing que eu citei acima para vender mais, mas não estão interessadas em se relacionar com cliente, em criar vínculos, em criar proximidade, em transformar a sua atividade em uma via de mão dupla, que não seja apenas “eu te vendo algo” e pronto e acabou.

O marketing é um processo social, investigativo e colaborativo. Ele precisa mostrar que quer que o seu cliente seja bem sucedido, seja diferente, seja especial na prática, para que ele enxergue a sua marca como diferente e valiosa. Porque a gestão e construção de uma marca é uma coisa feita a quatro mãos. As mãos da empresa e as mãos dos clientes. E, depende dessa segunda envolvida o sucesso de qualquer estratégia.

E é justamente essa a pergunta que o marketing tem que responder: como, aonde, porque, quem e o que fazer para relacionar-se com o cliente de uma maneira ÚNICA e AUTÊNTICA? Esse é o a resposta que o processo de marketing tem que responder para que aí sim a mensagem da comunicação seja coerente com a marca, como um braço do marketing e, não como sendo o marketing.

Atigamente, o objetivo do marketing era “encarado” como apenas ajudar a vender mais. Não era necessário relacionamento. Muitas vezes o consumidor era que estava pedindo para que lhe fosse vendido algo. Por isso, as políticas de venda, de lançamento de produtos, de troca, de comunicação eram todas controladas apenas para a empresa. Como todo mundo sabe, esse poder passou, há um certo tempo para a mão do consumidor. Portanto, se você não é coerente, se a história que  a sua marca conta não é praticada pela empresa, os clientes vão simplesmente se afastar.

E o pior é que, muitas empresas ainda estavam céticas e duvidosas desse novo poder do cliente. Poder de simplesmente parar de comprar uma marca e ir comprar outra. Parar de divulgar e de admirar uma marca e, partir pra outra. Acredito que ainda existem muitas marcas grandes que não têm noção do tamanho desse poder.

Aqui no Brasil nós podemos citar o exemplo recente e breve da Brastemp, em que um vídeo curto de um consumidor lesado teve repercussão mundial e a empresa teve que rapidamente correr para solucionar o problema antes que isso causasse algum transtorno à marca, que é sinônimo de excelência, qualidade e produtos top de linha no segmento de eletrodomésticos.

Portando, o poder do cliente, lesado, insatisfeito acabou tendo impacto de comoção tão grande quanto a empresa. A diferença foi que o cliente estava mostrando o problema e, dificilmente qualquer comercial irá fazer com que outros consumidores se esqueçam do vídeo daquele senhor que estava se sentindo lesado divulgou na internet pra tentar resolver o seu problema.

O negócio deu tão certo que, depois deles vieram mais alguns com a mesma estratégia para tentarem ter seus problemas resolvidos. Portanto, o marketing precisa relacionar-se com o seu consumidor.

Porque a Brastemp não trocou a geladeira de seu cliente logo? Porque muitas vezes, as ideias de excelência, de qualidade e de satisfação das empresas são deixadas para trás quando o assunto é garantia, problemas, devolução, troca, reclamação. Depois que o cliente comprou, problema dele. E, a maioria das grandes empresas fazem isso. E acabam inspirando as pequenas a fazerem também. Só que as pequenas quando fazem isso, quebram muito mais rápido.

Gostaria de citar, nesse sentido o exemplo da Zappos!

Eu poderia usar a Zappos! como uma case de marketing da maneira com que a marca se relaciona com o consumidor e como isso fez a empresa ser vendida para a Amazon.com por alguns bilhões de dólares. Mas, vou falar sobre superar expectativas e sobre a política de trocas da empresa.

Na Zappos! a troca de um sapato pode ser feita em qualquer um dia dos 365 dias do ano depois de efetuada a compra. A qualquer momento dentro de UM ANO, o cliente pode mandar de volta o seu produto e ter o seu dinheiro de volta ou trocar por outro produto. Por aqui, se comprarmos um sapato em um dia e tivermos problema no outro, já será difícil trocarmos ele na loja. Sempre haverá uma desculpa.

Não é à toa que a Zappos! ficou mundialmente famosa pela sua maneira de trabalhar, pela sua maneira de atender clientes e sua cultura baseada em serviços voltados aos clientes. Esse é o marketing de hoje. Essa é a comunicação que traz resultado, que diferencia a empresa e que a aproxima dos clientes. Por isso, da resultado e as empresas crescem.

O poder está nas mãos do consumidor, e ele da pras empresas em que eles acreditam ser autênticas e verdadeiras. No final das contas é o relacionamento e a sensatez da marca que vai atrair os consumidores a fazer negócio com a sua empresa.

Os “especialistas” chamam isso de “novo marketing”. Eu chamo de marketing apenas. Porque é o que importa, o que interessa e, principalmente, o que trás resultado. Enquanto as empresas não desenvolverem uma PERSONALIDADE para a sua marca que ajude no relacionamento com o consumidor, as bundas na TV serão apenas bundas. Podem ser belas, siliconadas e sensuais em lindos biquínis fio-dentais. Mas, mesmo assim, apenas bundas. E as bundas estão perdendo – na minha opinião já perderam – o poder de convencer alguém a comprar alguma coisa.

Viva a comunicação! Viva o marketing! E, sobretudo, viva os relacionamentos!

Os Princípios da Gestão de uma Equipe Fora do Normal.

1. Não contrate apenas pessoas parecidas com você. “O ideal é você contratar pessoas bem diferentes”, sugere Cleveland. “Todos nós temos fraquezas que um bom parceiro pode suprir.” Com isso, afirma ele, você será capaz de enxergar o quanto um pode suprir as fraquezas do outro e poderá ter uma boa ideia de onde precisa reforçar a sua equipe.

3. Reconheça quando um integrante não se encaixa na equipe. Seja qual for o problema, se um membro não se encaixa na equipe, ele está prejudicando as suas chances de um futuro melhor. Segundo Cleveland, provavelmente ele não está feliz e nem você. “Portanto, resolva a situação”, recomenda. “Fale diretamente com ele sobre o problema. Decidam juntos como resolver a situação e tome uma atitude. Será melhor para ambos os lados.”

3. Ajude os integrantes da equipe a se aperfeiçoarem. “Se isso quer dizer treinamento, pague alguns para sua equipe”, sugere. Se aperfeiçoamento significa direcionamento, direcione. Seja um mentor, um professor e espere excelência, afirma. Uma empresa tem os funcionários que merece.

4. Esteja disposto a ser o cara mau. Cleveland diz que tendemos a querer que todo mundo goste de nós e pergunta: “O que você gostaria de ser como dono de agência: o cara de quem todos gostam ou o que todos respeitam?” Segundo ele, os empregados não gostam de empregadores que eles não respeitem. “Conquiste o respeito tomando as responsabilidades das promessas que faz aos seus funcionários”, aconselha. “Por exemplo, se promete que a agência fará um trabalho grandioso, não há desculpas para um trabalho ruim.”

5. Mantenha-se calmo. “Equipes que vencem apreciam o caminho”, conta Cleveland. “Eles não se irritam, pois confiam no potencial que possuem. Como líder, você deve ser um exemplo dessa atitude. Portanto, divirta-se.”

6. Deixe seus funcionários serem eles mesmos. “Nós trabalhamos muito na nossa agência”, diz Cleveland. “Não necessariamente longas horas, mas horas bem focadas.” Equipes com integrantes que gostam um dos outros trabalham muito bem em conjunto. É muito difícil uma equipe assim não vencer.

Os conselhos são de Bart Cleveland, publicitário norte americano sócio da agência de publicidade McKee Wallwork Cleveland, uma das melhores do mercado do norte-americano.

Desafio Sebrae 2009.

Estão abertas as inscrições para o Desafio Sebrae 2009 (até 13 de Maio), um jogo que simula jovens universitários como empreendedores e donos de pequenas empresas, onde, a cada semana você precisa tomar decisões sobre o seu negócio e decidir o seu futuro e o de seu negócio no jogo. Eu participei desse desafio em meados de 2005, se não me falhe a memória, quando estava com 19 anos. Meu desempenho,  e o de minha equipe não foi dos piores, mas parafraseando um conhecido meu que já participou da comissão avaliadora do Desafio, vence a equipe mais bur(r)ocrática!

Estamos precisando fugir da burocracia. Criar empresas que contam histórias e tenha AUTENTICIDADE e CULTURA PRÓPRIA, e não um clone de outras pseudo-empresas de sucesso. Dessa vez eu não vou participar do Desafio. O meu próximo desafio tem que ser um desafio real, onde ou você faz a empresa dar certo DE VERDADE, ou QUEBRA! Eu não tenho medo, eu estou planejando o meu próprio desafio. E você, prefere brincar em um simulador da vida real, ou gosta mesmo de brincar pra valer na VIDA REAL??

Não à burrocratização e sim ao FAZEJAMENTO!