Desenvolvendo o verdadeiro espírito da liderança.

Eleanor Roosevelt uma vez disse: “Um bom líder inspira as pessoas a terem confiança no líder, um grande líder inspira as pessoas a terem confiança em si mesmos”. Mas, se transformar em um grande líder não está fácil. Construir uma equipe de sucesso através dos altos e baixos de uma liderança pode ser um dos maiores desafios enfrentados por micro, pequenas, médias e até grandes empresas.

Liderança é uma das áreas que muitos empresários tendem a negligenciar, de acordo com o coach em liderança John Maxwell, cujos livros incluem: As 21 irrefutáveis leis da liderança Desenvolvendo o Líder dentro de você.

“Você trabalha duro para desenvolver seu produto ou serviço. Você luta para resolver seus problemas financeiros. Você sai, promove o seu negócio e vende o seu produto. Mas você não pensa o suficiente sobre liderar o seu próprio pessoal e encontrar a melhor equipe”, diz Maxwell.

Acontece que, as habilidades e talentos necessários para orientar a sua equipe na direção certa podem ser simples, e qualquer pessoa com determinação pode desenvolvê-las. Sendo assim, aqui vai uma uma lista de dez dicas para conseguir desenvolver o seu poder de liderança.

#1. Montar uma equipe dedicada.

A sua equipe tem que estar comprometida com você e com os negócios. Empreendedores bem sucedidos não têm apenas a expertise comercial, mas também o know-how para contratar de forma eficaz. “A ideia de um negócio colossal simplesmente não é suficiente. Você tem que ser capaz de identificar, atrair e reter talentos que podem transformar o seu conceito em um sucesso”. Saiba mais sobre desenvolver uma equipe de vendas matadora.

Ao montar a sua equipe, olhe para as pessoas cujos valores estão alinhados com o propósito e missão de sua empresa. Suzanne Bates, uma consultora de liderança, diz que os membros de sua equipe precisam acreditar naquilo que o líder faz. “Ter pessoas em sua equipe que têm tenacidade e espírito sincero é realmente importante”, diz ela.

#2. Super Comunicação.

Este é uma grande característica. Mesmo com uma equipe de apenas cinco ou dez pessoas, pode ser difícil saber o que está acontecendo com todos. Em um esforço para uma integração da comunicação, Bates compila uma atualização de notícias semanais ela chama de Previsão de Sexta-Feira, e envia por e-mail para sua equipe. “Minha equipe é sempre surpreendida com todas as notícias do mercado”, diz Bates. O importante é fazer as pessoas se sentirem informadas sobre o mercado. Afinal, o conhecimento é o grande diferencial do mercado.

#3. Não assuma.

Quando você tem negócio, você pode fazer com que sua equipe compreenda e assuma seus objetivos e missão – e eles podem. Mas, todo mundo precisa ser lembrado para aonde a empresa está indo e o que vai acontecer quando vocês chegarem lá. Seus funcionários podem perguntar: “O que tem lá para mim?”. É importante saber descrever esse cenário para todos da equipe. Aproveite o tempo para realmente entender as pessoas que estão ajudando a construir o seu negócio, e para saber o papel delas no futuro da organização.

#4. Seja autêntico.

Bons líderes incutem suas personalidades e crenças no DNA da sua organização. Se você ser é autêntico, e não tenta agir como outra pessoa, e se cerca de pessoas que estejam alinhadas com seus valores, seu negócio tem mais chances de ter sucesso.

Cada empresa é diferente e cada empreendedor tem sua própria personalidade, diz Flaxington. Se você é autêntico, você atrai as pessoas certas para sua organização. Tanto os funcionários quanto os clientes.

#5. Conheça os seus obstáculos.

A maioria dos empreendedores estão otimistas e certos de que estão dirigindo em direção a seus objetivos. Mas, muitas vezes, acaba por ser um líder míope que não toma o tempo para entender seus obstáculos.

Você precisa saber o em que você está indo de encontro e, ser capaz de planejar em torno dos imprevistos. É loucura pensar que só porque o empreendedor tem energia e entusiasmo, que você vai ser capaz de conquistar tudo. É muito mais inteligente dar um passo para trás e descobrir quais são os obstáculos, para depois enfrentá-los de frente.

#6. Criar uma direção para a equipe.

Muitas novas equipes de corrida, antes mesmo de descobrir quem são, onde eles estão indo, e o que vai orientar a sua viagem, diz Ken Blanchard, têm um local de trabalho e uma time de liderança de treinamentos. Apenas chamar uma equipe e dar-lhes uma meta não significa que a equipe terá sucesso e a meta será atingida.

É importante para criar um um planejamento que mostra claramente o que a sua equipe irá realizar, e como a equipe irá trabalhar em conjunto para alcançar os resultados desejados. Isso é muito importante.

#7. Acredite em seu pessoal.

Os líderes devem ajudar seu povo a desenvolver a confiança, especialmente durante tempos difíceis. Como Napoleão Bonaparte disse: “Os líderes são negociantes de esperança”. Essa confiança vem em parte de acreditar na sua equipe. Mas acreditar nas pessoas não é suficiente. Você tem que ajudá-las a vencer.

#8. Mantenha sua equipe engajados.

Grandes líderes dão desafios para as suas equipes e os mantém animados e comprometidos com elas, diz o especialista em liderança Stephen Covey. Ele apontou o exemplo de uma pizzaria de médio porte, em uma pequena cidade, que estava matando uma grande cadeia de fast-food nas vendas. A grande diferença entre eles era o líder, afirmou Stephen.

Toda semana ele reunia seus funcionários adolescente e animadamente perguntava-lhes: O que podemos fazer nesta semana que nunca fizemos antes? As crianças adoraram o desafio. Eles começaram a enviar mensagens de texto para todos os seus amigos sempre que começávamos algo especial. Levaram a máquina de cartão de crédito para a calçada para os motoristas poderem comprar pizza direto da rua. Eles carregaram um caminhão com as pizzas vendeu tudo nos jogos universitários. Não é de se admirar que o empreendedor, dono da pizzaria nunca teve problemas com a rotatividade de funcionários.

Liderança não é uma tarefa fácil. Ser exemplo para os funcionários menos ainda. Porém, você já sabe o principal que precisa colocar no seu check list da liderança.

Anúncios

O guia definitivo para o processo de marketing nas empresas.

A ciência do marketing é uma matéria muito marginalizada por aqui. Digo isso porque, a grande maioria das agências e dos consultores chamam de marketing uma coisa que ele não é: a a propaganda e publicidade. As pessoas resumem o marketing a apenas essa matéria. Publicitários se denominam marketeiros e, hoje até programadores também se denominam marketeiros.

Que pena.

Digo isso porque marketing é muito mais do que só isso. É muito mais do que soltar um anúncio na TV, fazer um spot em um rádio, ou uma página dupla na Veja. Isso, de marketing não tem nada. A lógica do consumo não funciona como as agências de publicidade acreditam: com mulheres gostosas em propagandas de cerveja, com gente estilosa fazendo propaganda de cigarros. As marcas de cerveja adoram colocar as mulheres no topo de suas propagandas, achando que o apelo sexual são os melhores incentivos de marketing.

Bem, quanto a isso, Martin Lindstrom já demonstrou em seu livro “A Lógica do Consumo”, que não procede. O apelo sexual não é decisivo. Não é ele que impulsiona a decisão. No mês de Outubro, pela primeira vez a Cervejaria Petrópilis (fabricante de Crystal e Itaipava), ultrapassou o Grupo Schincariol e ocupa a vice-liderança das vendas de cerveja.

Parando para pensar a respeito, a Itaipava é uma das poucas cervejas em que a sua propaganda não abusa da conotação sexual, como a grande maioria das outras (como a Devassa). Isso acontece porque a estratégia da marca é atingir as mulheres. Itaipava foi uma cerveja que correu por fora para abocanhar um mercado que muitas outras empresas deixaram de olhar e, assim firmar-se no seu segmento. E esse mercado é das mulheres. E funciona. Funciona primeiro porque a Itaipava é uma cerveja mais fraca do que as outras, porque muitas mulheres acham a cerveja amarga, forte e isso as desestimula a comprar a Brahma ou a Atarctica, por exemplo. Mas não as desestimula comprar Itaipava.

Essa estratégia de focar em um grupo que ainda não foi 100% atendido e que carece de atenção funcionou muito bem com a Itaipava. Conheço mulheres e, tenho muitas amigas que adoram essa cerveja, fazendo com que, quando ela não é a preferida, seja a segunda opção (á frente de Skol e Antarctica), o que fez com que a cervejaria que a produz, conseguisse pela primeira vez desde a sua fundação ultrapassar o Grupo Schincariol, que sempre ocupou o segundo lugar após a líder de mercado AbInbev.

Essa história que eu contei, de posicionamento de produto, de personalização de uma mercadoria, de preenchimento de uma lacuna, ao ser comparado com uma peça publicitária é sim um trabalho de marketing. Isso pode ser chamado de marketing, porque envolveu um processo completo de estratégia, desenvolvimento e personalidade de uma marca que, isso sim é o trabalho do marketing.

Marketing, assim como a venda, é uma ciência e, como tal tem um processo. É claro que, no caso acima, a Itaipava fez televisão, fez revistas, fez propaganda em jornal, etc. Mas, isso é só um braço do marketing. A comunicação, a divulgação é apenas MAIS uma das atividades que ficam sob as asas do marketing, e não a ÚNICA atividade.

Bem, diariamente eu presencio conversas do tipo: “Precisamos fazer marketing. Vamos fazer um anúncio no jornal, ou quem sabe uma ou duas emissoras de TV”. E quando eu escuto isso, meu ouvido dói e, meu estômago embrulha, porque infelizmente a grande maioria das pessoas encaram o marketing como propaganda.

Mas, no fundo eu sei que não posso culpar a essas pessoas. Elas estão apenas reproduzindo aquilo em que escutam todos os dias. Que publicidade, propaganda, anúncios é igual a marketing. E por um lado, elas até estão certas. Porque esses profissionais (do marketing) agem como se fosse tudo a mesma coisa, tudo a mesma droga. Eles esquecem do processo do marketing, das etapas, da finalidade do marketing e lembram apenas a comunicação.

É claro que, em sua defesa eles vão dizer que a comunicação é aquilo que os clientes mais percebem, porque eles podem ver os comerciais, os espaços publicitários. Porém, por outro lado, uma comunicação que não passa a mensagem do produto, que não passa a mensagem da marca não tem sentido.

Mas, esse não é apenas um problema do marketing. É um problema da gestão de marcas.

Eu conheço pouquíssimas empresas (será que eu realmente conheço alguma?), que têm dado atenção a área de Branding. Da mesma maneira que eles não entendem que a propaganda é um auxiliar do marketing, eles não entendem que o marketing é um auxiliar do branding e, que o branding é que vai realmente mostrar às pessoas quem é a sua marca, o que ela veio trazer e, qual é a sua personalidade.

Bem, mas por hora eu vou deixar o branding de lado. Vou falar do marketing. Parece que as pessoas não sabem qual a função do marketing. Afinal, marketing é comprar um espaço na Globo e pagar alguns milhões para alguma agência de publicidade fazer algum trabalho bonito pra que a gente possa vender mais no natal.

E aí, todo mundo coloca tudo no mesmo cesto. Marketing, publicidade, propaganda, etc. Acaba que até o arte-finalista que faz um panfleto vai se achando marketeiro.

Vale dizer que, não estou criticando a publicidade. Seu que as agências recebem briefing e que, temos algumas agências razoáveis por aí. Porém, temos agência de publicidade que se dizem de marketing fazendo muita cagada Brasil a fora porque entendem apenas de produzir anúncio. E o pior é que, se a empresa não tiver um setor de marketing razoavelmente bom, eles vão sendo enganados por essa turma.

Afinal, eles foram ensinados assim. Marketing, publicidade, é tudo a mesma coisa.

Uma coisa a publicidade não é. Ela não é marketing. E uma coisa o marketing não é. Ele não é APENAS publicidade. Na verdade, o objetivo central do marketing pode ser resumido em um só. Marketing serve para criar relacionamento. Todo marketing é marketing de relacionamento.

Os livros, os professores, os escritores, os sites dizem que existem milhares de tipos de marketing (cybermarketing, ecomarketing, e-mail marketing, endomarketing, geomarketing, marketing 1-a-1, marketing ambiental, marketing direto, marketing promocional, marketing boca-a-boca, marketing cinematográfico, marketing concentrado, marketing cultural, marketing de experiência, marketing de fidelização, marketing de guerrilha, marketing de incentivo, marketing de massa, marketing de nicho, marketing de proximidade, marketing de retenção, marketing de serviços, marketing de transação, marketing de valor, marketing de varejo, marketing diferenciado, marketing digital, marketing emocional, marketing experiencial, marketing focado no cliente, marketing indiferenciado, marketing online, marketing institucional, marketing interativo, marketing internacional, marketing líquido, marketing político, marketing reverso, marketing sensorial, marketing viral, neuromarketing, transmarketing, webmarketing, yadda, yadda, yadda, etc.).

Caramba! Quanto marketing. Na verdade, existe apenas um tipo de marketing, que é o marketing boca-a-boca. Você precisa se RELACIONAR com seu cliente (ajudando-o a ser bem sucedido, a ser feliz, a encontrar a melhor solução), para que ele ENXERGUE a sua empresa como diferente, como uma empresa única na criação de valor e fale para a família, para os amigos e para o seu círculo de influência, gerando assim o boca-a-boca. Portanto, a sua marca, a sua empresa não pode apenas se posicionar como uma vendedora disso ou daquilo. Mas sim como uma especialista na sua área, fazendo negócios de uma maneira DIFERENTE, para que o cliente a perceba de uma maneira DIFERENTE e você consiga manter relacionamento com ela porque realmente a sua marca é DIFERENTE.

Esse é o objetivo do marketing. CRIAR, ESTREITAR, MELHORAR, ESTABELECER, AJUDAR no relacionamento com os clientes, e toda a comunidade. E isso é muito mais do que peças publicitárias. Isso é muito mais do que fazer anúncios, imprimir panfletos, fazer uma fachada ou criar promoções.

Isso é sobre fazer a comunicação correta, fazer o anúncio correto, fazer o panfleto correto, fazer a fachada correta e, saber se realmente é necessário fazer uma promoção. O marketing precisa, através do relacionamento com os clientes criar valor a sua marca e, para isso, todos os fatores precisam convergir na mesma direção para que a sua marca, a sua empresa tenha personalidade própria e, converse da maneira adequada e COERENTE com toda a comunidade.

Por isso, toda a modalidade do marketing é baseada em RELACIONAMENTOS. O problema é que, muitas marcas fazem todo o tipo de marketing que eu citei acima para vender mais, mas não estão interessadas em se relacionar com cliente, em criar vínculos, em criar proximidade, em transformar a sua atividade em uma via de mão dupla, que não seja apenas “eu te vendo algo” e pronto e acabou.

O marketing é um processo social, investigativo e colaborativo. Ele precisa mostrar que quer que o seu cliente seja bem sucedido, seja diferente, seja especial na prática, para que ele enxergue a sua marca como diferente e valiosa. Porque a gestão e construção de uma marca é uma coisa feita a quatro mãos. As mãos da empresa e as mãos dos clientes. E, depende dessa segunda envolvida o sucesso de qualquer estratégia.

E é justamente essa a pergunta que o marketing tem que responder: como, aonde, porque, quem e o que fazer para relacionar-se com o cliente de uma maneira ÚNICA e AUTÊNTICA? Esse é o a resposta que o processo de marketing tem que responder para que aí sim a mensagem da comunicação seja coerente com a marca, como um braço do marketing e, não como sendo o marketing.

Atigamente, o objetivo do marketing era “encarado” como apenas ajudar a vender mais. Não era necessário relacionamento. Muitas vezes o consumidor era que estava pedindo para que lhe fosse vendido algo. Por isso, as políticas de venda, de lançamento de produtos, de troca, de comunicação eram todas controladas apenas para a empresa. Como todo mundo sabe, esse poder passou, há um certo tempo para a mão do consumidor. Portanto, se você não é coerente, se a história que  a sua marca conta não é praticada pela empresa, os clientes vão simplesmente se afastar.

E o pior é que, muitas empresas ainda estavam céticas e duvidosas desse novo poder do cliente. Poder de simplesmente parar de comprar uma marca e ir comprar outra. Parar de divulgar e de admirar uma marca e, partir pra outra. Acredito que ainda existem muitas marcas grandes que não têm noção do tamanho desse poder.

Aqui no Brasil nós podemos citar o exemplo recente e breve da Brastemp, em que um vídeo curto de um consumidor lesado teve repercussão mundial e a empresa teve que rapidamente correr para solucionar o problema antes que isso causasse algum transtorno à marca, que é sinônimo de excelência, qualidade e produtos top de linha no segmento de eletrodomésticos.

Portando, o poder do cliente, lesado, insatisfeito acabou tendo impacto de comoção tão grande quanto a empresa. A diferença foi que o cliente estava mostrando o problema e, dificilmente qualquer comercial irá fazer com que outros consumidores se esqueçam do vídeo daquele senhor que estava se sentindo lesado divulgou na internet pra tentar resolver o seu problema.

O negócio deu tão certo que, depois deles vieram mais alguns com a mesma estratégia para tentarem ter seus problemas resolvidos. Portanto, o marketing precisa relacionar-se com o seu consumidor.

Porque a Brastemp não trocou a geladeira de seu cliente logo? Porque muitas vezes, as ideias de excelência, de qualidade e de satisfação das empresas são deixadas para trás quando o assunto é garantia, problemas, devolução, troca, reclamação. Depois que o cliente comprou, problema dele. E, a maioria das grandes empresas fazem isso. E acabam inspirando as pequenas a fazerem também. Só que as pequenas quando fazem isso, quebram muito mais rápido.

Gostaria de citar, nesse sentido o exemplo da Zappos!

Eu poderia usar a Zappos! como uma case de marketing da maneira com que a marca se relaciona com o consumidor e como isso fez a empresa ser vendida para a Amazon.com por alguns bilhões de dólares. Mas, vou falar sobre superar expectativas e sobre a política de trocas da empresa.

Na Zappos! a troca de um sapato pode ser feita em qualquer um dia dos 365 dias do ano depois de efetuada a compra. A qualquer momento dentro de UM ANO, o cliente pode mandar de volta o seu produto e ter o seu dinheiro de volta ou trocar por outro produto. Por aqui, se comprarmos um sapato em um dia e tivermos problema no outro, já será difícil trocarmos ele na loja. Sempre haverá uma desculpa.

Não é à toa que a Zappos! ficou mundialmente famosa pela sua maneira de trabalhar, pela sua maneira de atender clientes e sua cultura baseada em serviços voltados aos clientes. Esse é o marketing de hoje. Essa é a comunicação que traz resultado, que diferencia a empresa e que a aproxima dos clientes. Por isso, da resultado e as empresas crescem.

O poder está nas mãos do consumidor, e ele da pras empresas em que eles acreditam ser autênticas e verdadeiras. No final das contas é o relacionamento e a sensatez da marca que vai atrair os consumidores a fazer negócio com a sua empresa.

Os “especialistas” chamam isso de “novo marketing”. Eu chamo de marketing apenas. Porque é o que importa, o que interessa e, principalmente, o que trás resultado. Enquanto as empresas não desenvolverem uma PERSONALIDADE para a sua marca que ajude no relacionamento com o consumidor, as bundas na TV serão apenas bundas. Podem ser belas, siliconadas e sensuais em lindos biquínis fio-dentais. Mas, mesmo assim, apenas bundas. E as bundas estão perdendo – na minha opinião já perderam – o poder de convencer alguém a comprar alguma coisa.

Viva a comunicação! Viva o marketing! E, sobretudo, viva os relacionamentos!

Sete Regras Para Elaborar um Press Release.

press release é uma grande incógnita em algumas empresas. Se por um lado, alguns o acham essencial para a comunicação junto com a imprensa, por outro lado, muitos desconhecem totalmente o porquê de sua existência. Afinal, qual o fundamento de um press release bem feito? Quais as vantagens de uma empresa ter um press release? O que um press release pode proporcionar?

Essas são as dúvidas que habitam a maioria das pessoas. Se você não compreende um press release e nem sabe por onde começar, abaixo vão sete regras pra elaborar um press release que atinja o seu objetivo.

1. Decida a quem contar as novidades e porque. Por que você está escrevendo o lançamento? A quem você quer chegar? Qual seria a resposta ideal do comunicado? A imprensa precisa contar uma história. Quando você decidiu quem é seu público alvo, defina o que você quer fazer assim que terminar o lançamento.

2. Escreva um grande título. A maioria das pessoas nunca da a devida atenção ao título. Manchetes devem ser grandes e curtas, além de atrair a atenção das pessoas.

3. Mantê-lo breve. Chegar ao ponto tão rapidamente como você pode parar. Fornecer alguns links para mais conteúdo para aqueles que estão mais interessados, mas não tente dizer de tudo em um release. Retire tudo o que não aumenta a história, incluindo citações de um executivo que não dizem nada mais do que “Estamos Grande!”.

4. Ser valioso. Que tipo de valor você pode oferecer além da notícia? Por exemplo, você pode fornecer guias ou modelos relacionados ao tema que está cobrindo? O que você pode dar à imprensa que pode fazer o lançamento valioso?

5. Inclua Conteúdo Compartilhado. As pessoas vão compartilhar o conteúdo se você dar-lhes algo para partilhar.

6. Faça-o Search Engine FriendlyAmigável. Conteúdo especificamente escrito pra SEO não fica legal. O título deve ser breve e conter as palavras-chave que vouber. As palavras-chave devem vir no início da libertação, e incluir links.

7. Faça valer a pena. Mais uma vez, pense em seu comunicado de imprensa como uma história. O que torna esta história interessante? Se você não pode imaginar as pessoas falando sobre o seu lançamento durante o almoço, ainda necessita de algum trabalho.

A Lógica nas Relações Empresariais.

A relação da empresa com acionistas, empregados, fornecedores e clientes pode ficar mais prática e objetiva. O doutor em Comunicação Fábio França propõe utilizar a lógica nos relacionamentos corporativos. Ao invés de dividir os públicos em interno e externo, ele utiliza o conceito de públicos essenciais e não-essenciais e trabalha com cada um o objetivo do relacionamento e o grau de participação e dependência no negócio. A teoria foi elaborada após estudo com 20 empresas multinacionais em que o pesquisador percebeu a dificuldade em utilizar conceitos teóricos das relações públicas no dia a dia.

Confira, a seguir a entrevista de Fábio França sobre a lógica nas relações corporativas.

Como foi a experiência de escrever o livro Relações públicas: teoria, contexto e relacionamentos em coautoria com James E. Gruning e Maria Aparecida Ferrari?

Fábio França – O livro nasceu de uma parceria com o professor americano Gruning, que se dedica há mais de 30 anos ao estudo das Relações Públicas, e com a professora de Relações Públicas da Universidade Metodista de São Paulo Maria Aparecida. No primeiro capítulo do livro, o professor Gruning fez uma síntese da Teoria da Excelência que ele criou e uma abordagem das teorias de relações públicas. O texto é ideal para os estudantes porque traz elementos importantes da área. Maria Aparecida, que trabalhou muito nos Estados Unidos e no Chile, escreveu sobre um assunto que não é muito comum entre nós que é o contexto latino-americano das relações públicas. Como eu já trabalhava com a parte dos relacionamentos corporativos, fiz uma síntese do meu trabalho sobre públicos que é resultado da minha tese de doutorado na Universidade de São Paulo (USP). Eu mostro que para entender os públicos é preciso uma visão lógica e não apenas uma visão sociológica ou situacional. Eu fiz uma conceituação de públicos e foi a partir daí que trabalhei com os relacionamentos corporativos.

Em seus estudos o senhor usa conceitos lógicos nas relações públicas. Como ele se aplica?

Fábio França – Eu coloquei uma relação lógica no estudo que permite definir o objetivo da relação, o envolvimento desse público com a empresa, as expectativas da empresa e as expectativas do público. Isso cria um processo em que é possível analisar o ponto de vista da empresa, do empregado e do público. À medida que a empresa determina a política e qual é o objetivo da relação com cada público, é mais fácil identificar os públicos e definir o tipo de relacionamento necessário com cada um deles. Assim eu estabeleço também o nível de dependência e de participação desse público na empresa, de que maneira eu devo me relacionar e me comunicar com esse público. Pela lógica nós podemos identificar cada momento, tipo de relação, forma de comunicação e com isso ganhar em eficiência e transparência. Nesse sentido a conceituação lógica difere das demais porque ela determina com precisão o perfil do público, o tipo de relação, o objetivo da relação e o nível de envolvimento do público com a empresa (dependência, participação ou interferência).

O que esse conceito se difere dos demais?

Fábio França – A definição mais comum utilizada nas relações públicas é a que divide o público em interno e externo. Esse é um conceito muito geográfico e se presta a muitas confusões porque trata os públicos de uma maneira muito massificada. Por esse conceito, entende-se por público interno diferentes categorias como o setor dirigente, o intermediário e o operariado de uma empresa. Mas eu entendo que esse público interno tem características muito diferentes. No caso dos públicos externos também não há como tratá-los como iguais porque cada público tem uma função específica e tem relações diferentes com a empresa. As outras conceituações partem do princípio que haja sempre um conflito e que os diferentes públicos se reúnem para resolvê-lo. Mas na prática isso não funciona assim. Nos negócios as relações são mais objetivas.

O senhor acredita que o conceito lógico é mais aplicável em comparação com os demais conceitos?

Fábio França – Sim. Porque no caso do público empregado, a empresa pode definir o tipo de funcionário que ela quer ter. Uma espécie de parâmetro para dizer que ela admite pessoas que tenham determinado perfil. A partir daí a empresa define o tipo de relacionamento e de políticas que ela vai trabalhar para manter seus empregados motivados, estimulados e produtivos. Além disso, a empresa determina qual é o objetivo que ela tem com seus funcionários e isso torna a relação mais clara. Ao mesmo tempo, a empresa define qual é a expectativa que ela tem com o empregado, e espera que o empregado seja dedicado, honesto, ético e comprometido com o serviço.

O que o senhor entende por relacionamentos essenciais e não-essenciais? Como é possível classificá-los?

Fábio França – Os relacionamentos essenciais são aqueles que a empresa depende para existir, se manter e sobreviver. Nessa categoria eu tenho os públicos constitutivos, os donos dos negócios, investidores, e os constitutivos primários como os empregados dos quais a empresa depende para funcionar. Todos os públicos essenciais estão ligados à atividade fim e à missão da empresa. Os públicos não-essenciais são aqueles que estão ligados às atividades meio. Por exemplo, as agências de publicidade que não fazem parte da empresa, mas prestam um serviço de qualidade para ajudá-la a se comunicar melhor, ter visibilidade e credibilidade.

No livro Relações públicas o senhor afirma que é preciso ter cuidado para não incorrer no erro de tratar o público de forma homogênea. De que forma isso é possível?

Fábio França – Vamos pegar o exemplo de uma empresa que tenha de 10 mil a 15 mil empregados – isso quer dizer que ela tem um público de funcionários heterogêneo. Os empregados têm diferentes culturas, vêm de diferentes regiões do País e têm expectativas diferentes. Eu não posso tratar os empregados e tratá-los como se fossem um único público. É preciso estabelecer parâmetros para conhecer o público interno e desenvolver programas de comunicação de caráter específico e geral. A comunidade com a qual a empresa se relaciona também não é homogênea. Ela tem uma infinidade de públicos que eu não posso tratar da mesma forma, eu tenho que conhecê-la em profundidade. Aí entra um aspecto frágil no Brasil que é não estarmos acostumados a fazer pesquisa. É preciso fazer pesquisa para ver quem é o meu público interno, de onde ele vem, qual é a cultura desses empregados, quantos têm formação superior. O cliente é mais diversificado ainda.

O senhor fala de uma terceira categoria de públicos formados por uma rede de interferência que podem atingir os negócios da empresa. Quem são esses públicos?

Fábio França – São públicos que podem interferir de uma maneira positiva ou negativa no negócio. Por exemplo, a mídia. Em um determinado momento os veículos de comunicação podem publicar notícias favoráveis que defendem a empresa; em outro, elas podem publicar notícias negativas. Eu entendo que deva existir um relacionamento muito construtivo da empresa com a mídia para que nos momentos de crise a empresa possa ter como gerenciar essa relação. Outra rede de interferência importantíssima são os concorrentes. A inteligência competitiva da empresa precisa analisar e prever as tendências e ver se a concorrência não vai sair na frente no lançamento de um determinado produto. Nessa rede de interferência eu incluo também os grupos ideológicos que não compartilham os mesmos posicionamentos da empresa.

Como trabalhar cada público?

Fábio França – O relações-públicas deve trabalhar com os acionistas os relatórios financeiros e informações sobre o andamento da empresa. Com o cliente deve utilizar os veículos de promoção, de campanha de propaganda, publicidade, eventos e feiras. Com o empregado, trabalhar com a política de contato face a face, encontros e diálogo.

Depois que são identificados esses públicos, como o relações-públicas pode se aproximar deles e manter um relacionamento duradouro?

Fábio França – Eu tenho que conhecer os públicos. Depois eu preciso determinar a importância deles na organização e estabelecer que tipos de relacionamento eu quero ter com eles. É importante que a empresa esteja sempre presente nas relações com seus públicos de interesse. Se a empresa quer fidelizar esse público, ela precisa ter um relacionamento muito mais estreito e planejado. No caso do cliente, é preciso que ele se sinta beneficiado pela empresa. Isso aos poucos vai gerar na mente dele uma lembrança positiva. Se a empresa precisa se relacionar com uma comunidade e fazer com que ela tenha uma atitude mais favorável aos negócios, a empresa pode investir em uma parceria de sustentabilidade com a prefeitura para melhoria de saneamento básico, escola, alfabetização.

Como e quando a empresa consegue perceber o retorno dos investimentos em relações públicas?

Fábio França – É preciso estabelecer qual é a meta que se quer atingir na relação com os públicos, que tipo de comportamento quer conseguir, que atitude quer mudar. Se o relações-públicas estabelecer essas metas corretamente, então a empresa pode ter retorno a médio prazo. A empresa vai perceber o retorno na medida do atendimento correto e na medida em que ela atende a expectativa do público. No caso do relacionamento com os empregados são pequenas coisas que somadas vão aumentar o nível de comprometimento do funcionário. Eles se sentem felizes quando há oportunidade de carreira na empresa e bons salários. Um benefício que eles não querem perder.

Como construir uma relação de credibilidade com todos os públicos?

Fábio França – A empresa tem que ser veraz e as pessoas precisam estar convictas de que vale a pena manter o relacionamento com a empresa. Isso aumenta a sua reputação. A empresa que utiliza os conceitos lógicos e identifica cada forma de relacionamento e estabelece instrumentos eficazes específicos ganha em eficiência e transparência. Isso fará com que a empresa aja de uma forma uniforme diante de todos os públicos.

Qual era a visão que se tinha sobre as relações públicas quando o senhor começou a dar aula em 1958 e qual a visão que se tem hoje?

Fábio França – No começo havia muita euforia em torno das relações públicas, a expectativa era de uma profissão com função operacional que pudesse ajudar as empresas. Nos últimos anos, as relações públicas estão se voltando mais para uma atividade de relacionamento com os públicos da organização. Agora os relações-públicas são a inteligência da empresa nas relações com o mercado e com os públicos, porque determinam as políticas que as empresas devem seguir para trabalhar a reputação e a identidade corporativa. Cabe aos profissionais da área estabelecer as políticas de relacionamento com cada público e desenvolver programas, estratégias e ações. Nós consideramos a empresa bem-sucedida quando ela consegue atingir seus objetivos, e os relações-públicas são bem-sucedidos quando fazem com que a empresa se situe da melhor forma possível na relação com todos os seus públicos.

Como os alunos têm recebido a proposta de utilizar a lógica nas relações públicas?

Fábio França – Eu tenho usado esse processo há mais de cinco anos em sala de aula. Os alunos têm usado essa conceituação e têm conseguido excelentes resultados. Assim que o aluno entende a lógica do processo, ele aplica corretamente e desenvolve programas muito bem-feitos.

Comunicação da Marca.

1. Compreenda o papel da marca em seu negócio. A marca promove ganhos futuros por
meio do estabelecimento de um relacionamento com clientes que se tornam leais a
ela.
2. Prepare-se para investir, mas tenha sempre em mente todos os fatores que contribuem
para o valor de uma marca.
3. Conheça bem quem você deseja atingir: seu público-alvo.
4. Posicione-se de forma diferenciada em relação às demais empresas: desenvolva uma
idéia de grande impacto.
5. Vincule sua marca a um estilo de vida.
6. Desenvolva um design criativo e proteja a identidade visual de sua marca.
7. Dê visibilidade ao seu negócio: participe de eventos, escreva artigos, dê entrevistas,
envolva-se em comunidades.
8. Avalie o papel de cada diferente meio de comunicação no processo de construção de
marca e determine uma combinação ótima de meios de comunicação para atingir seu
público-alvo.
9. Mantenha a consistência da sua mensagem nos diferentes canais de comunicação e
acompanhe os resultados.
10. Faça-se sempre presente: a memória das pessoas é curta.

1. Compreenda o papel da marca em seu negócio. A marca promove ganhos futuros por meio do estabelecimento de um relacionamento com clientes que se tornam leais a ela;

2. Prepare-se para investir, mas tenha sempre em mente todos os fatores que contribuem para o valor de uma marca;

3. Conheça bem quem você deseja atingir: seu público-alvo;

4. Posicione-se de forma diferenciada em relação às demais empresas: desenvolva uma idéia de grande impacto;

5. Vincule sua marca a um estilo de vida;

6. Desenvolva um design criativo e proteja a identidade visual de sua marca;

7. Dê visibilidade ao seu negócio: participe de eventos, escreva artigos, dê entrevistas, envolva-se em comunidades;

8. Avalie o papel de cada diferente meio de comunicação no processo de construção de marca e determine uma combinação ótima de meios de comunicação para atingir seu público-alvo;

9. Mantenha a consistência da sua mensagem nos diferentes canais de comunicação e acompanhe os resultados;

10. Faça-se sempre presente: a memória das pessoas é curta.

Comunicação, Comunicação, Comunicação, Comunicação!

1. Tentar, vamos ver e quem sabe Procure evitar o uso dessas palavras, pois, ao serem pronunciadas, já dão uma ideia de que iremos falhar ou já estamos dizendo que no mínimo a possibilidade de fracasso é de 50%.

2. Mas, porém, contudo, todavia e entretanto – São palavras que dão sempre um alerta e já orienta quem estiver ouvindo a se preparar para alguma coisa nada agradável ou de total desvalorização ou, ainda, de negação a tudo que foi dito inicialmente.

3. Preciso, devo e tenho Elas passam uma ideia de que estamos necessitando de algo além das expectativas e também sugere que existem pessoas mandando ou controlando.

4. Por cada, vi ela, bum da bolsa, boca dela e uma mão Devemos evitar essas expressões, pois provocam cacofonia quando utilizadas, por exemplo: o grande bum da bolsa fez com que as ações valorizassem.

5. Eu gostaria de agradecer a ajuda de vocês Substitua o verbo no condicional pelo presente: “Eu agradeço a ajuda de vocês”. As pessoas, ao ouvirem, irão se sentir mais agradecidas, pois a forma de falar se torna mais forte, robusta e concreta.

6. Evite a palavra “não” Em qualquer frase, quando utilizamos o “não”, quem houve já pressupõe que todo o conteúdo passa uma ideia de baixo valor e interesse. O mesmo ocorre quando utilizamos o “não” acompanhado de outras palavras, por exemplo: não posso, não consigo, que dá uma ideia de falta de capacidade.