E-commerce C2C.

Stelleo Tolda é Diretor Presidente do MercadoLivre.com desde novembro de 1999. Ele é responsável pela gestão de uma equipe de 260 funcionários em quatro áreas principais: Comercial & Marketing, Financeiro & Administrativo, Atendimento a Clientes e Pagamentos (MercadoPago).

Stelleo possui Bacharelado e Mestrado em Engenharia Mecânica pela Universidade de Stanford e MBA pela Graduate School of Business da Universidade de Stanford.

Considerando a sua formação, imagino que há 10 anos atrás muitas oportunidades apareceram. Por que a aposta em comércio on-line?
Em 1997, conheci o Marcos Galperin, fundador do MercadoLivre, durante um mestrado em Stanford, nos Estados Unidos. A partir daí passei a observar o grande potencial que a internet comercial tinha e vi que o modelo de negócio desenvolvido por Galperin tinha tudo para dar certo. Em 99, Galperin — assim que lançou o MercadoLivre na Argentina –  me chamou para abrir a operação brasileira do MercadoLivre. Na época houve um grande impulso, um fluxo de capitais, uma série de investidores interessados em colocar recursos no MercadoLivre e em seu modelo de negócios (C2C) que promove o encontro entre compradores e vendedores. O MercadoLivre oferece ainda uma plataforma de pagamentos online aos mais de 35,7 milhões de usuários.

Vale ressaltar que sobrevivemos ao estouro da bolha e desde o nosso surgimento, apostamos em um dos principais destaques da internet atual: a geração de ferramentas que possibilitam aos usuários interagir cada vez mais entre si por meio da publicação de conteúdo na web como um todo. Certamente, isso me fez e faz apostar no comércio online até hoje.

Atualmente, qual a sua visão sobre a influência da internet no padrão de consumo brasileiro?
A venda pela internet é simples, segura, fácil e cômoda. Basta clicar no produto de interesse, escolher a forma de pagamento, combinar a entrega e pronto. Não há as barreiras inerentes ao comércio de rua: lotação, trânsito, nem as de shopping: pagamento de estacionamento, altíssima circulação de pessoas… Isso ajuda e reforça o crescimento do e-commerce como um todo, principalmente quando analisamos que – em especial no Brasil – as classes C e D estão cada vez mais utilizando a internet. Ou seja, o crescimento da banda larga e o alto índice de penetração de computadores, aliados a ascensão das classes C/D enquanto consumidoras contribuem efetivamente para o nosso crescimento/sucesso.

No MercadoLivre a categoria que mais se destaca em vendas é a de produtos de informática e eletrônica. No entanto, categorias como de beleza e saúde, decoração e itens para casa, por exemplo, vem ganhando muito espaço entre os usuários do site. Em 2008, do volume total de itens comercializados por meio da plataforma do MercadoLivre.com, 79,1% foram de produtos novos, sendo que 88,8% das transações realizadas a preço fixo. Excluindo as transações relacionadas a automóveis, imóveis e serviços.

Como é vista a questão da credibilidade e segurança dos dados pelos consumidores?
Atualmente o MercadoLivre conta com mais de 35 milhões de usuários que realizam diversas transações em um ambiente seguro e totalmente confiável, uma vez que o site investe em tecnologia de ponta para cuidar e preservar os dados de cada negociação que ocorre dentro da plataforma. O MercadoLivre possui ainda a certificação Truste que reconhece nas páginas do MercadoLivre toda a segurança necessário e recomendada internacionalmente para site online. Vale ressaltar ainda que o MercadoLivre oferece diversas páginas de como vender/comprar pelo site, bem como dicas de segurança, visando a educação constante dos usuários brasileiros. A educação é sem dúvida um dos pilares para uma negociação segura e eficaz.

Quais tendências e oportunidades para os empreendedores que queiram vender pela internet?
Tudo no mundo online é muito dinâmico, muito rápido e acompanhar todas as tendências e saber ouvir o que o usuário quer também é fundamental para chegar onde o MercadoLivre chegou. Para isso, o MercadoLivre oferece uma área, denominada Tendências, que permite ao vendedor identificar o que os usuários estão buscando e qual tipo de produto terá um maior impacto dentro da comunidade MercadoLivre. Além disso, é preciso acreditar e insistir. Quando o site foi lançado, há dez anos, por exemplo, não tínhamos a infraestrutura que temos hoje, mas não nos impediu de seguir em frente.  E hoje somos referência no mercado online de compra e venda em toda a América Latina.

Stelleo Tolda é Diretor Presidente do MercadoLivre.com desde novembro de 1999. Ele é responsável pela gestão de uma equipe de 260 funcionários em quatro áreas principais: Comercial & Marketing, Financeiro & Administrativo, Atendimento a Clientes e Pagamentos (MercadoPago).Stelleo possui Bacharelado e Mestrado em Engenharia Mecânica pela Universidade de Stanford e MBA pela Graduate School of Business da Universidade de Stanford.

Twitteiro Profissional…

1.Para começar, você terá de fazer uma escolha entre usar profissionalmente ou socialmente, como se fosse o Orkut. Se você pretende falar de trabalho, não escreva bobagens.

2.Você terá de definir uma estratégia para usar o Twitter. Uma coisa importante é escolher quem você segue e como. Entre os twitteiros, há um debate sobre essa questão. Alguns defendem que você siga todo mundo que te segue. Um dos defensores dessa visão é o americano Guy Kawasaki, que é seguido por 119.000 pessoas e segue outras 120.000. Se seu objetivo é networking, vá nessa. O publicitário Carlos Henrique Vilela, de 28 anos, gerente de marketing da agência de turismo Multitur, de Belo Horizonte, Minas Gerais, segue mais de 10.000 pessoas e é seguido por um número semelhante. “Já consegui fazer contatos interessantes”, diz Carlos. O problema desse jeito de usar: você terá muita dificuldade para acompanhar o que milhares de pessoas publicam.

3.Você pode optar por seguir só quem realmente interessa profissionalmente, nem que sejam apenas dez perfis. O professor Silvio Meira adota uma regra simples, em uma só pergunta de 56 caracteres: “Quem são as pessoas que agregam mais valor à minha vida?”. Isso quer dizer selecionar e restringir assuntos e pessoas. Ao fazer isso, você filtra quem realmente publica coisas relevantes para o seu trabalho. Informações que, ao ler, você sente que inspiram, motivam ou lançam um olhar diferente sobre o assunto.

4.Procure também focar um pouco os assuntos que você publica (ou twitta). Esse uso especializado ajuda a fazer de você uma referência em determinado assunto, algo que pode ser positivo para sua carreira no mundo real. “Esse parece ser o uso mais bacana”, diz Edney Souza, sócio da Pólvora!, consultoria de comunicação em mídias digitais e dono do blog Inter- Ney, um dos mais populares do Brasil. Uma dica importante é criar um perfil com um nome que complementa os assuntos que você cobre. Isso vai facilitar a associação entre o seu nome e o assunto.

5.Para ganhar destaque profissional na internet, o Twitter é uma ferramenta fabulosa. O desafio é ser uma fonte de conteúdo relevante para os outros twitteiros. Tente twittar e retwittar coisas interessantes. Conforme você é citado, aparece mais vezes nos resultados de busca. “Acho interessante porque o Twitter dá relevância em buscas no Google a custo zero”, diz Romeo Busarello, de 43 anos, diretor de marketing da Tecnisa e professor da ESPM, de São Paulo. Se você for relevante, as pessoas vão te seguir. Se você só publicar chatice, seus seguidores vão embora.

6.Se você está começando a publicar, fique antenado. No início, publique menos e leia mais. Sinta quem divulga as informações mais interessantes. “Procure seguir as fontes primárias, as fontes das pessoas que você segue”, sugere Edney. Na hora de retwittar, dê crédito.

7.Tenha um blog como apoio e use o Twitter para encaminhar pessoas para sua página pessoal. Assim, você terá mais espaço para desenvolver suas opiniões, sem o limite de 140 caracteres. Há programas como o TwitThis que twittam automaticamente os títulos dos posts do seu blog. Outra finalidade do Twitter é gerar tráfego. Muitas empresas já entenderam esse mecanismo e usam o Twitter para levar pessoas a seus sites. A loja virtual Camiseteria.com usa essa técnica. No site, são os consumidores que elegem as estampas das camisas que serão vendidas. Toda vez que há uma nova eleição, Fábio Seixas, de 32 anos, sócio da empresa que tem sede no Rio de Janeiro, mobiliza sua comunidade de seguidores no perfil da Camiseteria. Isso cria um ambiente de proximidade do consumidor com a marca.

8.Você pode optar por um uso extremamente focado. É o que faz Luiz Fernando Oliveira, de 43 anos, gerente de relações com investidores (RI) da Weg, fabricante de máquinas e equipamentos com sede em Jaraguá do Sul, Santa Catarina. Ele usa o Twitter como canal de atendimento aos investidores da empresa. “A estratégia é complementar a comunicação convencional”. Oitenta pessoas seguem o RI da Weg. Parece pouco, mas as teleconferências para divulgação de resultados são acompanhadas por 60 pessoas em média. Por aí se vê o valor da ferramenta.

9.Se você lê textos em inglês ou em outro idioma, uma contribuição possível é “tropicalizar” as informações, isto é, complementar os links para perfis ou blogs do exterior com comentários relacionados à realidade brasileira. Se você tem um blog, discuta você mesmo a aplicação do assunto na sua realidade.

10.Fábio Seixas, da Camiseteria.com, também usa o Twitter para testar ideias. “Sabe aquele estalo que você tem e depois esquece?”, diz. “Agora, eu publico os insights na web e aproveito para ver se tem alguém pensando no mesmo assunto”. Se tiver, diz Fábio, o feedback é quase instantâneo.

11.Nunca use o Twitter como um programa de mensagens instantâneas. Muita gente faz isso, tornando públicas conversas privadas. Se você faz isso, as pessoas vão achar você chato e parar de te seguir.

12.O Tweepz é uma ferramenta para encontrar pessoas a partir da formação ou cargo dela. Em 26 de maio, por exemplo, o programa localizava 152 gerentes no Twitter. Outra ferramenta bacana é o WeFollow que ajuda você a achar pessoas de acordo com o assunto que elas twittam. A palavra Brasil, por exemplo, dava 157 resultados em 26 de maio. Como quem avisa amigo é, aqui vai um conselho: pense duas vezes antes de postar. Não fale mal de pessoas ou da empresa. As coisas se espalham rapidamente no Twitter. Quando você se dá conta, o dano já foi feito. Há o caso famoso de um americano que perdeu uma vaga na Cisco por escrever no Twitter que teria um salário bom, mas um trabalho chato.

13.Também há quem consiga contratar pelo Twitter. Na consultoria Pólvora!, Edney Souza contratou seis pessoas nos últimos meses que foram recrutadas a partir de contatos no Twitter. Da última vez, recebeu mais de 40 currículos. “Desses, pelos menos oito eram de profissionais gabaritados para a vaga”, diz Edney.

14.Lute pelo Twitter na sua empresa. Muitas companhias ainda não sacaram o potencial da ferramenta e bloqueiam o uso corporativo, alegando que o Twitter representa um risco para os sistemas de TI ou que as mídias sociais prejudicam a produtividade. “O maior inimigo dessas ferramentas dentro das empresas é o departamento de TI”, diz Silvio Meira, do Cesar. Como profissional, sua missão é mostrar as oportunidades que as mídias sociais trazem para o negócio.

15.Quer um exemplo de como há oportunidades de negócio no Twitter? Veja o caso da Tecnisa. Para não parecer fonte de spam e afugentar seguidores, em seis meses usando a ferramenta, a construtora nunca havia feito uma promoção. A estratégia sempre foi oferecer links para apresentações hospedadas no site da empresa. No mês passado, o gerente de mídias sociais, Roberto Loureiro, achou que estava na hora de tentar vender um apartamento pelo Twitter. A empresa ofereceu um vale-compra de 2 000 reais para o primeiro seguidor que comprasse um apartamento. Em uma semana, um imóvel de 500 000 reais foi vendido.