10 Dicas Para uma Proposta Matadora.

1. Identifique sua empresa no cabeçalho da cotação com sua marca;

2. Coloque um número na cotação, afinal, é um documento;

3. Enderece à empresa solicitante, ao setor responsável e principalmente à pessoa que resolve;

4. Adicione um breve texto antes da descrição dos itens, uma pequena apresentação;

5. Detalhe ao máximo o produto ou serviço proposto, apresentando todas as suas características e benefícios;

6. Não dê seu melhor preço de imediato, estimule o interesse do cliente informando em outra linha, em destaque, os benefícios que seu produto trará ao cliente potencial. Se depois for preciso, você ainda terá gordura para queimar;

7. Informe todas as condições comerciais, como local e data do faturamento, impostos, tipo de frete, forma (boleto, cheque ou depósito) e prazo de pagamento, valor mínimo do pedido, bem como a validade da proposta. Esse item já salvou muita gente.

8. Coloque todos os seus contatos: e-mail, celular, número fixo, etc. Não corra o risco de não ser encontrado;

9. Date e assine a cotação;

10. Seja rápido para responder a cotação. Se o seu concorrente for esperto, ele não perderá tempo;

Como se Tornar um Melhor Empreendedor?!

1. Não permita que as emoções atrapalhem suas decisões;

2. Aceite críticas, venham elas de onde vierem;

3. Nunca deixe de construir sua rede de contatos. Você precisará dela;

4. Aprenda com os seus próprios erros;

5. Aprenda com os erros alheios;

6. Lembre-se: em cada canto existe a chance de se vender algo;

7. Não seja ganancioso demais — leitões engordam e porcos vão para o facão;

8. Tente não misturar família e negócios;

9. Nunca deixe de aprender, não importa o quão bem-sucedido você seja;

10. Considere que gastos com bons advogados ou consultores trazem economia no longo prazo;

11. Não escolha um nome estúpido para a sua empresa — mas, se o fizer, não o mude;

12. Lembre-se: a contratação de novos empregados não resolve a maior parte de seus problemas;

13. Não tenha medo do desconhecido;

14. Não se esqueça de que economizar é mais fácil que ganhar dinheiro;

15. Saiba que nem sempre inovar é necessário. Não há nada de errado em copiar boas práticas;

16. Não subestime os concorrentes. Nem sempre dá para saber o que eles estão fazendo;

17. Se você ainda não tiver um mentor para os negócios, procure um;

18. Saiba que não importa o que você quer, só importa o que seus clientes querem;

19. Seja ganancioso quando os outros estão com medo. Tenha medo quando os outros são gananciosos;

20. Você nem sempre precisa pagar por conselhos. Não faltam boas dicas de graça na internet;

21. Saiba que conhecer gente rica nunca é mau negócio;

22. Tenha em mente que, ao ter um blog pessoal, você constrói a própria imagem e a de seu negócio;

23. Lembre-se: atrair fundos de venture capital é mais difícil que ser atingido por um raio;

24. Saiba que o caminho mais fácil nem sempre é o mais inteligente;

25. Tenha consciência de que o aprendizado é maior na sua empresa do que numa escola de negócios.

Como Construir Marcas Líderes?

1. Simplifica e melhora a vida? Não adianta  insistir com produtos e serviços ruins, complicados ou ultrapassados, que ninguém tem mais paciência de querer aprender a usar, manter ou arrumar. Se faz mal para o planeta e para os outros também pode fazer mal para nós. Nesse ponto é fundamental que a empresa tenha capacidade de PD&I, ou não sobreviverá.

2. Torna a vida menos estressante? Uma conseqüência do item anterior: já convivemos com muitas coisas chatas, e das quais não podemos prescindir com facilidade. O que já não acontece com produtos e serviços que não ajudam a nós e ao planeta, e podem ser facilmente substituíveis. Tem cada vez mais gente boa no mercado batalhando para fazer melhor e querendo uma oportunidade para fazer a diferença.

3. Ajuda a economizar? Não importa se somos ricos ou pobres. Economizar em todos os níveis é modernidade permanente entre pessoas inteligentes e engajadas socialmente.

4. Possui benefício hedônico? Se a marca tem os demais pontos e ainda por cima massageia o nosso ego, destaca a imagem ou nos faz felizes, muito melhor. Podemos até tolerar o preço mais elevado e até alguma complicação, mas isso também tem limites.

5. Pode ser melhorado? Tudo o que é bom é permanentemente provisório. É inesgotável o nosso desejo pela melhoria das coisas que gostamos.

6. Planejamento integrado e continuado. A marca deve chegar ao mercado suportada por todas as áreas da organização, cujos profissionais devem ter formação superior de qualidade e atreladas à educação continuada. As marcas atingem diversos públicos: funcionários, autoridades, consumidores, parceiros, etc., todos na empresa devem corresponder às expectativas que a comunicação irá criar entre os públicos que a marca quer atingir.

7. Um posicionamento diferenciado. O mercado a ser atendido provavelmente já está repleto de marcas. Se elas não são melhores que a sua, são, pelo menos, mais experientes. A sua marca deverá indicar aos públicos que ela irá compensar as deficiências das marcas existentes, ou adicionar diferenciais desejados e que elas não correspondem.

8. Um nome proprietário e que simplifique a comunicação. Já são quase dois milhões de marcas registradas no Brasil. Não é nada fácil criar um nome (e domínio de internet) que seja registrável, fácil de pronunciar, memorizar e que signifique o seu posicionamento. Claro que se o que se irá vender for muito superior e diferenciado, o nome será apenas um detalhe. Mas quem foi que disse que o branding também não é feito de detalhes?

9. Comunicação inteligente. A internet ocupa rapidamente o espaço da TV, jornais e revistas. Tem também as mídias sociais que influenciam cada vez mais na compra de produtos e serviços, num universo de logotipos e embalagens cada vez mais parecidas umas com as outras. Bom design e comunicação criativa são recursos imprescindíveis, custem o que custar.

10. Pós-venda. A venda não acaba no balcão ou no fechamento do carrinho de compras do site. A maioria das empresas ainda não dá a devida atenção ao atendimento nos quase inevitáveis problemas com serviços e produtos. Em muitos casos, o orçamento de marketing e comunicação é superior ao que se investe no atendimento e esclarecimento aos consumidores.