Ou Você se Diferencia, ou Será Confundido com a Multidão.

Quando você pensa dentro das suas limitações, você está pensando como a grande maioria de pessoas na sua condição. Quando você tem os mesmos hábitos que a maioria das pessoas, você está se igualando a elas.

Mas, você quer ser igual a todo mundo, ou quer se tornar uma pessoa fora do comum?

Se você quer ser igual, mais um ovo na caixa, não precisa fazer nada, apenas continuar seguindo o senso comum. Faça o que as pessoas normais fazem.

MAS, se você quer ser MAIS, tem que fazer sempre um pouco mais. Sempre plus. Assim, não adianta pensar dentro das limitações, seguir o senso comum e se contentar com o pouco. Cabe a você, e somente a você dificultar as coisas para que se transforme em uma pessoa fora do normal.

Cabe a você se desafiar a ficar acordado mais cinco minutos, escrever mais meia hora, ler apenas mais um livro, assistir pelo menos mais uma palestra, ajudar pelo menos mais uma pessoa, fechar pelo menos mais uma venda, dar um passo a mais do que ontem. SEMPRE.

Se você OUSAR ultrapassar os limites que o seu cérebro impõe ao seu corpo, você será ousado o suficiente para fazer sempre MAIS e será recompensado por isso.

Todas as pessoas têm duas opções. Lamentar-se com sua condição, lamentar das dificuldades, lamentar seus problemas, lamentar das limitações, lamentar, lamentar, lamentar. 80% das pessoas escolhem essa opção.

A outra opção é BATALHAR, todos os dias para ultrapassar as barreiras e, toda vez que pensar em se comportar com uma pessoa comum, PRECISA AUMENTAR O NÍVEL. 20% das pessoas escolhem essa opção.

A diferença está nítida. Os que lutam sempre, estarão sempre um passo na frente. Os que lamentam, já conhecemos o lugar deles.

Prepare-se Para o Desafio.

Luiz Fernando Garcia é consultor especialista em manejo comportamental e empreendedorismo em negócios e autor dos livros Pessoas de resultado – O perfil de quem se destaca sempre e Gente que faz.

Abaixo a entrevista que ele concedeu à VendaMais falando sobre as etapas de criação de um negócio e de suas dificuldades iniciais.

Para você, o que é empreendedorismo?

Empreendedorismo se refere aos estudos relativos à conduta e personalidade empreendedora – características, comportamentos, modelos mentais, universo de atuação, etc.

O que é preciso saber antes de começar um empreendimento?

Quem quiser iniciar um empreendimento deve estar preparado para o tamanho do desafio que enfrentará sozinho. Por mais que as pessoas digam que estão com você, o começo é solitário.

Quais são as etapas fundamentais para a criação de um novo negócio?

Identificar uma oportunidade de negócio, criar um “mapa” de como aproveitar a oportunidade e fazer com que o planejamento deságue em ação. Essas etapas devem ser seguidas para que as chances de sucesso aumentem.

Quais são os cuidados que têm de ser tomados antes de empreender?

O novo empreendedor precisa entender que negócios existem para satisfazer algumas necessidades dos consumidores, e não para serem símbolos de status ou se ocupar enquanto procura emprego. Então, se não tiver clientes que paguem pelo que produzirá, é melhor nem iniciar o empreendimento. Também é indispensável saber quanto de caixa (dinheiro) vai precisar para enfrentar as dificuldades iniciais e os primeiros meses de trabalho. Fuja de pensamentos como este: “Tenho metade do dinheiro necessário, mas depois aparece o restante”. Dinheiro não costuma aparecer. Além disso, o negócio não paga suas contas, é você quem paga. Portanto, estabeleça um pró-labore com o mínimo para viver, avise a família e se mantenha nele.

Quais são as principais dificuldades encontradas por empreendedores no início de uma empreitada? Como é possível superá-las?

No estágio inicial do negócio, não é o que a pessoa pensa que conta, mas o que ela faz. A pergunta dirigida ao fundador ou a que ele dirige a seus empregados deve ser: “O que você fez? Vendeu, produziu ou realizou alguma coisa?”. Depois de analisar as respostas, podemos até identificar algumas situações comuns e que podem gerar conflitos, como: poucos sistemas, normas ou diretrizes falhas, gerenciamento por meio das crises, pouca delegação por parte dos líderes, gerente que acha que o show é ele, etc. Para superar esses conflitos iniciais, é preciso muito comprometimento, vontade de levar o empreendimento adiante e dedicação. Assim, ficará mais fácil superar as dificuldades que sempre surgem no começo e continuar o empreendimento rumo ao sucesso.

Quais são os erros mais comuns cometidos por empreendedores de primeira viagem? O que fazer para evitá-los?

Os erros mais comuns podem ser resumidos em um único: visão idealizada. Isso significa que o que o empreendedor aspira não está baseado em dados da realidade, e sim numa visão “fantástica”. É mais fantasia que uma visão de futuro possível de ser alcançada, por exemplo: deseja o céu, mas não está disposto a morrer. A irrealidade (idealização) da visão de futuro será rapidamente fonte de frustração e desestímulo. Para evitar esse erro, o empreendedor precisa anotar os principais aspectos do negócio. É importante duvidar de dados excessivamente favoráveis. Prepare-se sempre para o pior, mesmo esperando o melhor. Lembre-se de que um negócio é feito 10% de inspiração e 90% de transpiração. Não basta apenas querer empreender, é preciso fazer isso de verdade!

Como é possível identificar o melhor setor para se empreender em determinado momento?

Boa pergunta, mas se existisse uma fórmula para saber qual é o melhor setor para investir em determinado segmento, com certeza todo mundo estaria utilizando-a e alcançando o sucesso. Há gente ganhando e perdendo dinheiro em todos os setores. O melhor é encontrar algo que você goste de fazer, pois terá de trabalhar como nunca para que esse negócio se desenvolva.

Existem características comuns aos empreendedores de sucesso? Quais são elas?

O livro Pessoas de resultados – O perfil de quem se destaca sempre traz uma síntese de sete pontos-chave que encontrei em personalidades empreendedoras francas (188 de um total de 1,2 mil empreendedores mapeados). Essas características são: iniciativa ou drive, visão ou capacidade de visualização, riscos ou superação de desafios, expectativa ou manutenção de foco, capacidade de estabelecer planos de ação ou criação de mapas de percurso, tolerância à incerteza e autorreforço. Para mim, empreendedores de sucesso apresentam essas características. É claro que nem todos as possuem. No entanto, elas normalmente estão presentes nos grandes empresários.

É possível desenvolver essas habilidades em profissionais que desejam empreender? Como?

Sim. Uma conduta empreendedora pode ser desenvolvida e reforçada. Mas como toda aprendizagem humana, ela exige vivência e experimentação. Nenhum empreendedor desenvolveu sua conduta sentado, apenas escrevendo planos de negócios. Eles precisaram ir a campo para identificar suas características mais fortes e fracas, além de trabalhar incansavelmente o desenvolvimento de suas competências.

Depois de criar um empreendimento, o que é preciso fazer para consolidá-lo?

Na fase de consolidação, o foco principal deixa de ser as ideias e possibilidades e passa a ser a produção de resultados, isto é, a satisfação das necessidades – o motivo pelo qual a empresa foi criada. Em uma organização, isso é expresso em termos de vendas, vendas e mais vendas. Agora que existe risco, não precisamos mais de ideias, e sim de vendas. Essa é a fase criança. E como um bebê necessita primeiro de leite e cuidados, a instituição precisa dos empurrões para caminhar. Essa etapa dura de três a cinco anos e consome de 14 a 17 horas de trabalho diário.

O que Estão Fazendo Com Nossos Jovens?

Hoje foi o segundo, e último, dia da primeira edição do Novo ENEM, o Exame Nacional do Ensino Médio, que tem o caráter de avaliar os alunos de ensino médio junto com as instituições de ensino pelo país. O ENEM é uma avaliação conjunta, para ser possível avaliar o que escolas estão ensinando para os alunos e como pessoas diferentes reagem a uma mesma forma de ensino.

A primeira prova do ENEM, como todos sabem, vazou há meses atrás. Na semana passada às vésperas do ENEM, o Ministro da Educação, Fernando Haddad avisou que a prova ainda não está totalmente livre de vazamento.

Para ele, o vazamento e adiamento da prova, no mês de outubro, não mancharam a imagem do Enem. No entanto, nos próximos anos, haverá mudanças no exame no que diz respeito, principalmente, à contratação da empresa responsável pela impressão e aplicação do teste. A realização de um concurso das proporções do Enem não pode ser objeto de um processo de licitação por menor preço, completou.

Haddad disse que o MEC ainda aguarda o fim do inquérito da Polícia Federal para entrar na justiça contra o consórcio e conseguir de volta os R$ 38 milhões pagos para as empresas responsáveis pelo exame em outubro e que foram responsáveis por permitir o vazamento, na opinião do ministro.

O ministro disse também que o MEC mantém a intenção de acabar com o vestibular nos próximos três anos. Queremos acabar com as decorebas, as fórmulas, o adestramento, e, para isso, é preciso acabar com o vestibular do jeito que é feito hoje.

O inferno está cheio de boas intenções. Se por um lado, temos o senhor Ministro cheio de vontade de mudar a história das seleções para as Universidades, temos crianças achando que vivem em um lindo mundo cor de rosa, e reclamam, que fazer noventa questões em um dia é muito puxado.

É isso que estão fazendo com as nossas crianças, futuros profissionais que podem fazer a diferença? Professores, pais, mães e família estão estampando de idiotas meninos e meninas que estão crescendo sem uma ideia real do que está os esperando na esquina.

O mundo é um bicho-papão. Não criamos crianças para nós mesmos. Até porque, com ou sem educação, uma hora eles vão embora, o mundo vai retirá-las de você. Se é assim, precisamos ser sinceros e realistas para mostrar a elas o que as está esperando, para que elas não nos culpem depois.

1. A nota não é importante. Eu estudei sempre em escolas onde a média era maior do que na maioria dos lugares. Ainda no ensino fundamental tinha média seis e, já no ensino médio, média sete. Na faculdade, como na grande maioria, a média também era sete. Ou seja, ou você tira sete, ou não vai passar de ano. Eu sempre fui cobrado pra tirar as notas e passar de ano. Mas, o importante mesmo, que é fazer amigos, ser respeitado, ser provocado a pensar em novas formas de usar o cérebro e INOVAR, nunca ninguém cobrou de mim. A professora de literatura sempre mandou lermos os mesmos livros ridículos, o que, tenho certeza, assustou mais de metade de minha turma que, hoje não deve nem chegar perto deles.

Não interessa a nota que você tira. Eu nunca fui o exemplo de aluno.A minha família é uma família de CDF’s (por parte de mãe), e eu fui a ovelha negra. Nunca estudei pra tirar nota. E se a aula estava ruim, EU NÃO ASSISTIA. Já quase fiquei reprovado por falta, mas nunca por nota. Quando chegava o final do ano, eu tirava a nota que precisava e c’est fine, próximo ano.

As notas não importam. O que importa mesmo é o que você consegue aprender, e o que faz com aquilo que aprende. Já que as escolas e faculdades continuam sendo a mesma droga de sempre, temos que aproveitar a escola do nosso jeito e, criar uma nova forma de aprender.

2. A escola é chata. A escola é realmente chata. Como eu disse lá em cima, VÁRIAS foram as vezes em que eu sai da sala com ânsia de vômito. Os professores têm o mesmo padrão de dar aula, as mesmas apostilas, e assim, os alunos cada dia que passa, saem em debandada fugindo de seus professores. A culpa dos alunos faltarem aula, de ficarem em casa, ou de dormir enquanto o professor se vangloria de quanto é excelente é deles mesmo.

Se eles não fizessem tudo igual sempre, sempre com o mesmo padrão, com a mesma maneira enjoativa de ensinar, as coisas não seriam tão monótonas e repetitiva. A aula de portugês não se conecta com a de biologia, que não se relaciona com geografia, que não tem nada a ver com história, que não se comunica com a matemática, que nem brinca com física e química, que cagam e andam pra filosofia.

Quando o professor entra em uma sala, ele simplesmente APAGA o quadro que o outro professor deixou, sem ao menos pensar COMO pode estabelecer alguma conexão entre uma coisa e outra. Cada um fica no seu quadrado e, assim, o aluno que poderia se desenvolver multidisciplinarmente fica também quadrado e acaba aprendendo apenas um terço das matérias.

O dia em que PROFESSORES tiverem a capacidade de INOVAR, serão adorados por seus alunos, que terão muito TESÃO em suas matérias.

3. Na vida real não existe recuperação. Alunos estão acostumados a uma segunda chance. São educados desta maneira. Primeiro, escreve a lápis para depois passar a limpo de caneta. Assim, caso exista algum erro, é possível ainda consertar. Da mesma maneira, no final do ano, caso você não consiga passar de ano, seja porque não conseguiu aprender nada, seja porque não conseguiu colocar em prática o que aprendeu durante todo o ano, terá uma segunda chance, a RECUPERAÇÃO. Na recuperação, você tem que, em uma ou duas semanas, aprender tudo aquilo que não conseguiu aprender, para depois fazer uma prova. Ou seja, uma segunda opção de fazer uma coisa que não conseguiu durante TODO O ANO.

Porém, pessoas diferentes têm problemas diferentes e, da mesma maneira, aprendem de formas diferentes. Não adianta dar segundas ou terceiras chances para resolver o problema de um ano inteiro, se não conseguirmos uma nova maneira de ensinar.

Só, que quando as crianças crescem e viram adultas, são jogadas na fria realidade do mundo.

Em uma entrevista de emprego não há segundas chances. Se você não passou, nada de emprego. Ou então, se você não soube planejar a sua empresa e o dinheiro acabou, ou se você faliu, ACABOU. Nada de segundas chances. Na vida real, as pessoas precisam escrever logo de caneta sem muitas chances de erro.

Se a sua empresa falir, não existe recuperação. Do mesmo modo, não existe recuperação para a maioria das coisas que fazemos.

Nossas crianças são educadas para aprender em série. Os alunos estão na linha de montagem educacional. São educados em série, através de um processo único e ultrapassado. Estamos em pleno século XXI utilizando a mesma forma de aprendizado de dois mil anos atrás.

Sendo assim, as crianças crescem achando que a vida é feita de malhação, baladas e dez na faculdade. No final do curso das coisas, o pessoal que senta na frente da sala, acaba trabalhando pra quem senta atrás. Os melhores alunos, muitas vezes quando jogados na prática, nunca mais voltam…

Os alunos sabem tudo de reality shows, de novelas, de fofocas. Acham que da pra se ganhar a vida em qualquer concurso público e, que só é preciso trabalhar depois da faculdade. Não sabem a importância de aprender a teoria na prática, seja lá qual a teoria que escolhemos.

Os jovens de hoje não querem trabalhar. E quando eu digo trabalhar, não estou dizendo EMPREGO. Estou dizendo trabalho. Aprender, criar, ter um ideal.

E por outro lado, os pais passam a mão na cabeça de seus filhos. Não precisam trabalhar, não precisam colocar a mão na massa, não precisam fazer nada. Apenas ir à escola, passar de ano, e serem felizes em frente da televisão. Nada de esportes, cursos extracurriculares, para desenvolver a inteligência dos filhos. Apenas passar de ano, e ir empurrando com a barriga.

Por esse motivo, hoje os jovens acharam o ENEM difícil. Acharam noventa questões muita coisa. Isso porque nunca fizeram uma entrevista de emprego, nunca elaboraram um plano de negócios, nunca ficaram até mais tarde trabalhando por uma causa. Assim, noventa questões serão realmente difíceis.

Os alunos, são educados pelos pais e pelos professores para acreditarem que a escola é o maior desafio que eles têm. LEDO ENGANO.

Estão criando jovens covardes e preguiçosos. É uma pena, mas é isso que estão fazendo com nossos jovens.

Os Princípios do Pensamento Criativo.

1. Atitude. Atitude é um componente chave de todo empreendimento vitorioso. Como disse Henry Ford: Se você acredita que pode, você está certo. Se acredita que não pode, você  também está certo. Atitudes positivas são fortes catalisadoras de energia criativa e agregadoras de habilidades e talentos. Ver-se como uma pessoa criativa é um passo importante para liberar sua imaginação e aproveitar plenamente suas habilidades e conhecimentos.

2. Desafie as suposições. Conscientemente ou inconscientemente, nós temos crenças que nos impedem de usar a imaginação e resolver os problemas criativamente. Também somos afetados pelas crenças de outras pessoas que nos pressionam para sempre seguir os caminhos convencionais e não fugir da mesmice. Na solução um problema, é importante identificar e listar as suposições, convenções e crenças que afetam a sua compreensão, análise e solução. Examine-as criticamente e se livre das que não são verdadeiras ou que se tornaram obsoletas.

3. Quebre as regras. Certamente não podemos quebrar todas as regras, mas na solução de problemas e na inovação é importante questionar as regras, especialmente quando elas aprisionam nossa mente a velhos hábitos e modos de pensar. Muitas vezes, para seguir adiante é necessário abandonar a estrada principal e tentar caminhos nunca percorridos.

4. Não tenha medo de errar. Quem não se arrisca, não petisca – nos ensina o velho ditado. As grandes invenções raramente resultam de um golpe da sorte, mas usualmente de uma sucessão de tentativas frustradas até se chegar ao resultado desejado. O antiferrugem WD 40 tem este nome por que a solução somente foi atingida na quadragésima tentativa. Ela foi precedida de 39 tentativas sem resultados satisfatórios.

5. Há sempre mais de uma solução certa. Na escola somos ensinados que há uma única solução certa. Na realidade, com muita frequência há mais do que uma e, muitas vezes, a primeira resposta que nos ocorre é a menos criativa. Esforce-se para procurar outras soluções de forma que você tenha várias opções para comparar e escolher a melhor.

6. Suspenda o julgamento. O julgamento prematuro é o caminho certo para bloquear a criatividade. É essencial separar a fase de geração de ideias da fase de julgamento, pois não se pode dirigir com um pé no acelerador e outro no freio. No trabalho em equipe, deve-se ficar atento para os comportamentos que desencorajam as contribuições dos participantes, bloqueiam suas mentes e minam o espírito de equipe.

7. Persistência. Experimentar e ter alguns fracassos faz parte do processo de geração de ideias e inovação. O segredo do sucesso está na constância de propósito, em manter-se firme apesar dos percalços no caminho. É oportuno lembrar as palavras do historiador grego Herodoto que viveu no século 5 AC:Alguns desistem de seus projetos quando estão quase atingindo seus objetivos; enquanto outros, pelo contrário, obtêm a vitória empregando, no último momento, esforços mais vigorosos do que antes.

Você Tem Medo do Escuro?

“Não tenha medo”…

A minha mãe diz que precisamos pensar várias vezes. Minha mãe acha que as coisas não são fáceis assim. Lógico que não é assim, é ainda mais fácil. A vida é sobre FAZER ou NÃO FAZER. Simples assim. Na verdade é até mais simples do que isso… agente e o MALDITO DO MEDO é que DIFICULTAMOS AS COISAS!!

Tudo começou com o dia 03 de Outubro de 2008. Na verdade, começou antes, mas não sei o dia ao certo. No dia 03 eu fui sugado pra São Paulo, e o último pino preso que eu tinha soltou. Nesse dia eu morri e nasceu outro Enrico. Foi nesse dia que eu decidi que precisava de MAIS. Mesmo que eu não estivesse a altura desse mais que eu procurava. Nessa brincadeira toda, eu fui sugado por São Paulo, através de uma oportunidade dada por um amigo.

No dia 28 de Novembro eu desembarquei em São Paulo pra fazer uma entevista. Ao sair do ônibus pensei: “O que eu tô fazendo aqui nessa porra”. Porém, isso foi um pensamento de um segundo… logo depois o Enrico voltou ao seu estado normal, estado-arte sem medo, cheio de vontade de renascer e começar e aprender tudo de novo.

Eu não tenho medo. Posso ter medo de cobra, de bandido, de bico, sei lá.. Mas não tenho medo de arriscar. Eu não sou jogador de xadrez,  meu inglês ainda não é fluente, e eu sou um homem de negócio às avessas. Não tenho faculdade de administração, mas já li mais livros de business que muito aluno de pós-graduação. Eu não sei nada, mas posso aprender. Eu sou um cara do fazejamento. Mais ações e menos papel!! Mas atitudes e menos teorias. O mundo esta cansado de gente que olha tudo da mesma maneira que acontecia no Século XIX. Cacete.. estamos no século XXI. A administração que cohecemos MORREU.

Eu não tenho medo! Nem de dar certo, nem de dar errado. O medo das pessoas, segundo elas mesmas são de dar errado, de falhar ou de não conseguir atingir os objetivos. MENTIRA. O medo é de dar certo. Oba, deu certo, que bom, qual é o próximo passo?? NÃO S EI!

Por isso que eu não tenho medo. Eu já não sei nada mesmo. Eu desafio as teorias. Me chamem de “caçador de mitos”, mas eu vim pra mudar a forma com que enxergamos a antiga escola de administração.

Eu mudei de casa, de cidade, e as minhas idéias e atitudes vivem mudando. Foi pra isso que eu vim.. pra mudar sempre. “Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”.  Eu vim trabalhar com um amigo que tem grandes histórias pra ensinar. Grandes teorias e manuais pra rasgar e grandes fórmulas mágicas pra desbancar.

Eu tenho certeza que Einsten estava CERTÍSSIMO quando disse que: “a imaginação é mais importante do que o conhecimento”. Nada menos que isso me interessa. Um dia diferente do outro é muito mais proveitoso do que viver todos os dias as mesmas idéias.

Ouse mudar, ouse fazer diferente. Ouse rasgar o seu plano de negócios igual ao de todo mundo. Pega esse sumário executivo plagiado de um autor teório e transforma ele em uma coisa palpável, prática. Saia dos textos e vá para os vídeos.  Crie novas formas de fazer velhas coisas e velhas formas de fazer coisas novas.

A vida é feita de experimentação. Experimente fazer diferente e não tenha medo de dar certo. Aliás, não tenha medo de nada. O medo só atrapalha e estraga o momento maravilhoso das coisas.

Eu desafio a você não ter medo e fazer alguma coisa diferente em 2009.  Em 2009, Renasça todos os dias e faça um dia ser diferente do outro.

EU QUERO VER SE VOCÊ TEM CORAGEM!!