5 Regras de Empreendedorismo que as Escolas não Ensinam (mas deveriam).

1. Lidar com pessoas. Você pode ensinar a gestão organizacional, e existem rotinas para os trabalhadores, vendas, compras, liderança, e todos os processos dentro de uma empresa. Mas ninguém pode realmente ensinar empatia. Você não aprende como outras pessoas se sentem por estar em uma sala de aula. Grande maioria das pessoas precisam da vida inteira para descobrir isso, e muito provavelmente, alguns de nós nunca irão realmente aprender.

2. O Certo e o errado.As escolas de negócios estão tentando ensinar a ética nos negócios. Porém, isso não é tarefa fácil. Existem milhares de opiniões e comportamentos diferentes e, a ética não tem o mesmo significado para todas as pessoas.

Empresas que estão agindo de alguma maneira para ajudar a comunidade, seus funcionários, seus clientes, o planeta e o meio ambiente, vence no longo prazo. Atitudes “fair play” são fundamentais para o sucesso a longo prazo.

A justiça é muito importante. Microgerenciar as pessoas não é um modelo de negócio bem sucedido. Mas isso pode ser ensinado?

3. Ter uma vida. Com todas as lições espalhadas sobre a paixão, o espírito de perseverança e persistência, onde no currículo nos ensinaram colocar os negócios na ordem correta de prioridades? Quem disse que é mais fácil encontrar um novo emprego, ou construir um novo negócio, do que se casar?

As escolas de negócios subestimam forma com que se ensina a criar uma empresa de sucesso. E ninguém ensina o que fazer quando uma reunião de negócios crucial interfere no futebol das crianças.

Toda escola de empreendedorismo deve ter pelo menos uma aula com alguém que ficou tão obcecado com a empresa que perdeu o resto de sua vida. Isso acontece muito.

4. Gerenciamento de risco.  As escolas de negócios geralmente são excelentes no ensino dos números e na análise de risco, ferramentas matemáticas para avaliar o valor do dinheiro no tempo, e as fórmulas para comparar o risco de investimento, como a taxa interna de retorno (TIR).

Estamos falando de outra forma de risco. VIVER COM O RISCO. Como dormir à noite sabendo que seus clientes lhe devem o suficiente para quebrá-lo se não pagarem? Como aceitar o risco de ter de fazer uma segunda hipoteca, ou um refinanciamento de um veículo?

Não corra os riscos, se você não pode viver com as consequências.

5. Quando esperar e quando dobrar a aposta. Uma das coisas mais difíceis nas pequenas empresas, é descobrir quando seguir o plano e quando voltar e tentar outra coisa. Não existem fórmulas mágicas, nem nenhum software milagroso. Essa decisão é resultado de uma combinação de adivinhar o futuro, projetando diferentes cenários possíveis, entender o que está em jogo, e descobrir o que estava errado. O difícil é decidir até onde seguir o plano faz sentido, e quando abandoná-lo e começar a buscar outras alternativas.

Qual a melhor maneira de ensinar isso nas escolas de negócios?