Toda Empresa tem uma Folha Em Branco Para Preencher

Entenda a importância de criar a história da sua empresa antes de perder seu tempo apenas com o plano de negócios.

Quando nascemos, ganhamos uma folha em branco para escrever a nossa história. E, a partir desse momento começamos a manchar essa folha com a nossa existência.

Quando uma empresa nasce, ela tem em mãos a mesma folha em branco para escrever a sua história. É aqui que muitas empresas já começam errando.

Sim, planos de negócios, de marketing, valuations e tudo mais podem ser importantes para definir a saúde de um negócio, mas será a história que a sua marca contar que vai atrair pessoas para comprar aquilo que ela faz.

Portanto, antes de responder as perguntas dos planos de negócios para saber sobre a liquidez do seu negócio, é preciso fazer as perguntas que as pessoas querem saber antes de decidir se vale a pena compartilhar dos mesmos princípios da sua empresa.

Quando um cliente opta por comprar o seu produto, ele está pactuando com a sua filosofia e, nesse momento criamos uma conexão pessoal entre uma marca e uma pessoa.

Por isso é preciso, antes de mais nada se posicionar, mostrar a que você veio e escolher com cautela os princípios e ideias norteadoras da sua empresa, porque é justamente isso que vai fazer com que você atraia ou espante clientes e funcionários.

E esse precisa ser o primeiro exercício filosófico que você precisa fazer antes de dar vida ao seu negócio. Isso porque eu acredito que o exercício de branding precisa ser o primeiro dever de casa de um empreendedor.

Por isso, antes de ter uma ideia magnífica em sua cabeça para ganhar dinheiro, tente desenvolver uma ideia magnifica para mudar a realidade das pessoas ao seu redor e agregar valor.

Comece a escrever a história da sua empresa, antes que alguém o faça da maneira errada.

Comece a escrever a história da sua empresa, antes que alguém o faça da maneira errada.

O roteiro para descobrir a história da sua marca.

Toda marca tem uma história. Todo verdadeiro empreendedor tem o impulso de querer mudar o mundo, e fazer a diferença no seu mercado.

Para isso, é preciso encontrar a essência da sua ideia e mostrar como a sua futura empresa se posiciona e no que ela acredita.

#1. O manifesto é a nova declaração de missão, visão e valores.

Mais do que qualquer missão, visão e valores, as empresas precisam ser guiadas por princípios e por sentimentos. Esse é o desafio de um empreendedor, transformar a sua ideia em um manifesto em que ele se posicione de maneira diferenciada perante o mercado.

Não vai adiantar ser mais uma empresa com mais uma visão e valores ultrapassada, querendo o lucro acima de qualquer coisa. É preciso mostrar quais são as crenças e os pilares da sua empresa.

O que o seu manifesto precisa responder:

  • A sua visão sobre o mercado em que vai atuar.
  • Porque a sua empresa vai ser diferente.
  • Qual o impacto da sua empresa na concorrência.
  • O fantástico diferencial da sua marca.
  • Qual é a sua promessa de valor.
  • Porque as pessoas deveriam fazer negócios com a sua empresa.
  • O sonho da sua empresa.

#2. A cultura é o que vai fazer a sua empresa inovar.

A cultura de uma empresa é nada mais nada menos do que o modus operandi da sua empresa. E isso vai fazer toda a diferença no momento de contratar pessoas, promover pessoas, estabelecer organogramas e se relacionar com clientes, fornecedores e concorrência.

Qual será a cultura da empresa? Você quer dar autonomia para os funcionários servirem bem os clientes, independente do que façam, ou eles terão um livro de regras e condutas?

Quanto mais aberta para a horizontalização da sua empresa, mais focada na comunidade ela será e, mais envolvente ela será para clientes e funcionários.

Qual será o motor da sua empresa: servir o cliente, ou respeitar uma hierarquia antiquada?

É a cultura da sua empresa que vai definir para onde você vai.

É a cultura da sua empresa que vai definir para onde você vai.

#3. O que você promete às pessoas?

O que você vai prometer para as pessoas que vão comprar de você? Preço baixo, garantia estendida, frete grátis, atendimento de especialistas…

Qual será a sua promessa?

Lembre que é justamente essa promessa que poderá transformar clientes em evangelistas.

Se a sua empresa vender a preço baixo, quando o cliente encontrar um preço mais baixo ainda, ele te abandona. Se você der frete grátis e o seu concorrente também der e tiver preço mais baixo você dança.

Quando mais superficial a sua promessa, mais superficial será a fidelidade do seu pseudo-cliente. Agora, quanto mais diferente, única e exclusiva for a sua promessa, mais chances você tem de não ser trocado após o primeiro encontro.

A profundidade da sua promessa será a profundidade da fidelidade do seu cliente – e por que não dos seus funcionários? Sendo assim, gaste bastante tempo pensando nisso, para não perder tempo depois querendo reconquistar os clientes perdidos.

Criar uma marca é contar uma história.

E fazer com que essa história atraia pessoas que estejam dispostas a pagar pelo que você faz e, quando alguém lançar algo parecido, essas pessoas não corram para experimentar a concorrência.

Contar uma história é fazer as pessoas comprarem de você, independentemente do que você venda, independente do quanto você venda, independente de onde você venda.

Existem rumores de que a Apple vai lançar um relógio. A fila já é grande. Assim como foi no iPod, como foi no iPhone, no iPad e em qualquer produto que a empresa lance nos próximos anos.

Isso porque a Apple não promete produtos acessíveis para os seus clientes com frete grátis e 1 ano de garantia de fábrica. Eles prometem algo que as pessoas não conseguem explicar, mas querem a todo custo. Mesmo que esse custo seja o de um rim.

Lembre-se do lifestyle que você quer proporcionar aos seus clientes. Isso precisa estar muito claro na sua história e, precisa ser o seu DNA para se manifestar, para criar a sua cultura e para cumprir suas promessas.

Os 7 Mandamentos da Alta Performance.

1. Defina com precisão sua capacidade de trabalho. Organizar-se para realizar uma tarefa é tão importante quanto fazê-la benfeita. Tentamos fazer várias coisas ao mesmo tempo sem buscar o equilíbrio em relação ao tempo que dispomos para realizá-las.

2. Prepare, planeje e trace a estratégia correta para cada uma de suas ações. Para sobreviver no comércio hoje em dia, é necessário tática de guerrilha. Conhecer o concorrente, seu poder de fogo, onde e como ele ganha terreno e seus pontos fortes e fracos é fundamental.

3. Trace os objetivos almejados. Ao traçar o objetivo correto para sua ação, não adianta somente ter uma visão ampla da situação. Faz-se necessário olhar “além do alcance”. Sempre que traçar um objetivo, imponha metas e estipule prazos para elas se concretizem.

4. Respeite as prioridades e faça tudo no seu tempo. Para sermos eficazes, é necessário classificar nossas prioridades em: acidentais, importantes e essenciais. Perdemos tempo com coisas totalmente acidentais enquanto as importantes e essenciais, que vão nos dar um resultado positivo, estão ficando para trás.

5. Mantenha-se sempre muito bem informado sobre seus concorrentes. Estudar seu concorrente direto e acompanhar suas ações é uma coisa; estudar tecnicamente seu produto para uma melhor explanação ao cliente também é uma coisa. Agora, estudar tudo aquilo que possa tirar sua rentabilidade é outra completamente diferente.

6. Cultive a autodisciplina. Bom profissional não perde o foco. Fique atento para cumprir exatamente o que foi planejado, pois o que mais acontece no dia a dia são momentos que possam nos distrair e nos tirar dos trilhos.

7. Faça o que tem de ser feito. Na vida profissional, não podemos tender a executar somente as tarefas que julgamos ser fáceis. Grandes vitórias vêm depois de grandes batalhas! Não adianta ficar dando voltas por julgar a tarefa complicada, seja proativo e faça o que tem de ser feito.

Nós só Precisamos Ir..

Na vida, não precisamos de propósito para fazer as coisas. Não precisa de motivos, de explicações, nem de inspirações de pessoas, parentes e amigos.  Na maioria das vezes agimos somente pra entender aonde essa ação vai nos levar.

Eu vim pra São Paulo sem nenhum planejamento, fiz minha mudança de um dia pro outro, procurei e encontrei moradia em menos de uma semana e fiz burrada. A primeira burrada foi acreditar que as pessoas são apenas boas. Na primeira casa que morei, por menos de um mês, a promessa nos e-mails era de uma suite, com cama de casa, guarda roupa e banheiro. O que encontrei? Um quarto minúsculo, sem banheiro e apenas a cama. Perdi dinheiro, ganhei experiência. 

Outra coisa.. largar tudo e vir pra São Paulo. Pra que? Pra me colocar à prova, pra ser testado e PRINCIPALMENTE pra mostrar que nem todo carioca quer ir à praia no horário de almoço e por essas bandas tem gente que gosta de trabalhar sim. Pra aprender, pra errar, pra fracassar se for o caso, foi pra isso que eu vim. Tem dado certo, mas não sabemos o que nos espera o futuro. Mas eu não posso voltar. Não sem fazer com que as pessoas vejam eu fazendo a diferença e contribuindo; não sem antes deixar os meus familiares que se viram, de repente longe de mim, orgulhosos. Não, antes de concluir se sou realmente burro, ou se há uma brexinha de inteligência nisso tudo.

Se eu penso nisso todo dia? Não… eu só preciso ir até lá e fazer o que eu sei. Uma coisa de cada vez. Eu apenas estou aqui… PARA O QUE DER E VIER. Eu preciso fazer o PRESENTE bem feito, para poder PENSAR no FUTURO.

Me perguntar por que?? Não sei ao certo. Cada dia encontro um motivo diferente pra levantar da cama!! E no final de tudo, estamos apenas em uma estrada que o destino todos já conhecemos.

A História da Honda, a História de Soichiro

Na minha formatura, há pouco menos de dez dias atrás, minha família mandou confeccionar uma faixa gigantesca para mim que dizia o seguinte: “Enrico, você é do tamanho dos seus sonhos; SONHE MUITO!”, essa frase me remete à minha infância…

Eu sempre fui o sonhador, que não tinha limites, que acreditava que as coisas tinham uma RAZÃO, um por que que explicava as coisas que, muitas vezes, para alguns, eram INEXPLICÁVEIS. Quando criança, queria saber da minha mãe quem era o filho dela antes de eu nascer. E nesse pique LUNÁTICO eu completo, no próximo dia 28 de Fevereiro, 24 anos. Não menos, nem mais, o mesmo louco de sempre. Os sonhos sempre foram os meus melhores amigos. Os companheiros e aqueles que respondiam todas as minhas perguntas imediatamente. Descobri, que colocá-los em prática explicava aquela INTERROGAÇÃO que eu sempre procurei. Mandar uma pessoa “continuar sonhando”, é a maior prova de confiança e cumplicidade que uma pessoa pode depositar na outra. SONHOS são os motores que nos fazem acordar pela madrugada e traçarmos um caminho através de nossa vida. SONHO é o substantivo masculino que impede que a nossa vinda à terra seja apenas a passeio. Sonhe grande, corra na frente de suas realizações. Faça o impossível e torne-o palpável. SONHO é sinônimo de OBSTINAÇÃO.

Crie o seu caminho e o seu destino. Não deixe que a vida lhe transforme, transforme você a ela. Graças ao apoio de minha família eu vou deixar sempre os sonhos me invadirem e transformá-los em realidade até quando isso não for possível. VENCER BATALHAS E TRANSFORMAR SONHOS EM REALIDADE, nada menos que isso interessa!

Nessa busca louca e incessante de seguir sonhos e realizá-los sempre, eu, sem querer, conheci a história de Soichiro, um japonês obstinado que não deixou nenhuma dificuldade, guerra ou contratempo atrapalhar a sua garra e vontade de realizar um sonho. Soichiro, que eu não conhecia até então, se tornou um dos meus favoritos, por ter grande capacidade de sonhar e REALIZAR.

Na vida existem dois tipos de pessoas: as que possuem grande capacidade para planejar e pouca habilidade para fazer; e as que possuem grande capacidade para fazer, e pouca de planejar. Porém, se tiver que escolher entre uma e outra, eu opto sempre pelo FAZEJAMENTO. Mesmo que dê errado, quem faz já está a um paso na frente daquele que apenas planejou. Tirar o negócio do papel e transformá-lo em realidade faz com que sejamos GUERREIROS e DESBRAVADORES. A vida é uma cruzada. Cabe a nós decidir se queremos ser os exploradores, ou meros expectadores.

Eu?? Eu percorro o caminho mais DIFÍCIL, por que os atalhos levam sempre ao lobo mau, e os caminhos mais difíceis nos trazem à GLÓRIA!!

A história de Soichiro é mais ou menos assim:

“Um homem investe tudo o que tem numa pequena oficina. Trabalha dia e noite, inclusive dormindo na própria oficina. Para poder continuar nos negócios, empenha as próprias jóias da esposa. Quando apresentou o resultado final de seu trabalho a uma grande empresa, dizem-lhe que seu produto não atende ao padrão de qualidade exigido.

O homem desiste? Não!

O homem fica chateado? Não!

Após dois anos, a empresa que o recusou finalmente fecha contrato com ele. Durante a guerra, sua fábrica é bombardeada duas vezes, sendo que grande parte dela é destruída.

O homem se desespera e desiste? Não!

Reconstrói sua fábrica, mas, um terremoto novamente a arrasa. Essa é a gota d’água e o homem desiste? Não! Imediatamente após a guerra segue-se uma grande escassez de gasolina em todo o país e este homem não pode sair de automóvel nem para comprar comida para a família.

Ele entre em pânico e desiste? Não!

Criativo, ele adapta um pequeno motor à sua bicicleta e sai às ruas. Os vizinhos ficam maravilhados e todos querem também as chamadas “bicicletas motorizadas”. A demanda por motores aumenta muito e logo ele fica sem mercadoria. Decide então montar uma fábrica para essa novíssima invenção. Como não tem capital, resolve pedir ajuda para mais de quinze mil lojas espalhadas pelo país. Como a idéia é boa, consegue apoio de mais ou menos cinco mil lojas, que lhe adiantam o capital necessário para a indústria.

Encurtando a história:

Hoje a empresa de Soichiro é um dos maiores impérios da indústria da automobilística japonesa, conhecida e respeitada no mundo inteiro”.

Viva Soichiro!! Soichiro HONDA..

Onde Você Guardou os Sonhos de sua Infância?

04-rua-das-tulipas

Rua das Tulipas poderia ser considerado como, segundo a sua sinopse: “o filme da 2ª turma do treinamento ANIMUS – Oficina de Animação 3D da OZI, realizado entre agosto e outubro de 2007”. Porém ele é muito mais…

Rua das Tulipas é sobre ser INCOMODADO, sobre não ter medo do desconhecido, sobre querer sempre ser MELHOR do que antes. Rua das Tulipas é uma pequenina história engraçada sobre SUPERAÇÃO. Superar limites para satisfazer sonhos de quando éramos crianças…

Quando eu era criança eu queria ser cientista, inventar a cura para a AIDS e acabar com o câncer. Hoje, já ví pessoas sofrerem com o câncer e já ví a AIDS acabar com inúmeras esperanças de vida. Infelizmente eu não virei esse cientista. O caminho das Ciências Biológicas e da Saúde não se cruzaram com o meu: não gosto, não tenho inclinação nem disposição.

Porém eu sou um outro cientista. O cientista INCONFORMADO. Eu questiono teorias, papéis, escolas exatas de fórmulas mágicas miraculosas, crises e, principalmente tabús. Eu descobri que não levo jeito pra ser o descobridor da cura de doenças “incuráveis”, descobri que o que me dá prazer é outra coisa, descobri que a vida de adulto é mais difícil do que a das crianças e, principalmente que, mesmo não descobrindo a cura de nada, eu queria curar o mundo de tabús e preconceitos.

Aos dezessete pra dezoito anos, eu terminava o ensino médio. Eu tinha um dilema que todo jovem tem na cabeça com essa idade, tirando o sexo, que não vem ao caso nesse momento. Eu tinha que escolher um rumo a seguir para minha formação, eu tinha que escolher um caminho para estudar e para escolher viver a vida inteira fazendo. Eu terminava um curso técnico de informática e, poderia muito bem continuar na área, escolhendo um entre os milhares de cursos do mundo sobre TI. Mas eu parei pra pensar e, em um momento filosófico decidi que queria estudar alguma coisa que pudesse me fazer um agente transformador e, assim ajudar o Brasil, contribuir para alguma coisa. Foi assim que eu escolhi o Direito.

Eu nem lembrava mais dessa história, e me lembrei dela agorinha pouco, quando estava deitado, tentando dormir, pensando na vida, nas escolhas, nos caminhos e nas portas que fechamos e que abrimos durante a nossa caminhada. Eu, durante os cinco anos do Direito, tentava, forçosamente, lembrar o que me fez optar por essa carreira, por este caminho e não conseguia. Hoje, num estalar de dedos, em um estampido, lembrei naturalmente de tudo aquilo que passava por minha cabeça naquela época. O CURSO ACABOU! Os rumos novamente foram outros.

Mas a vontade de ajudar ainda existe. Eu estou disposto a ajudar a alavancar o Brasil, a transformar o país que eu tanto amo no país que eu ACREDITO ser o ideal. Eu sou como o Professor Paulino: persigo os sonhos de minha infância. Se eu não posso livrar o mundo da AIDS e do Câncer, eu quero livrar o Brasil da incompetência, da demagogia, dos falsos princípios e do “jeitinho”. Eu quero livrar o país do preconceito, do trabalho escravo, da corrupção e do lixo. Eu sou PERFECCIONISTA e, se não estiver bom pra mim, eu FAÇO DE NOVO.

Muito prazer, meu nome é Enrico Cardoso, eu sou Cientista dos Negócios, aluno do Professor Paulino e eu vim pra acabar com a brincadeira.

Acorda!! Tá na hora de mudar o mundo…