7 Dicas indispensáveis para a construção de uma página de produto matadora.

A página de detalhe de um produto dentro de uma loja virtual é a “landing page” oficial do produto na hora da compra.

Se a página não for rica em detalhes que ajudam e motivam o cliente a decidir a compra, ele vai cair fora.

Estudos indicam que o cliente não fica mais do que 5 segundos em uma página de detalhe de produto.

É nessa hora que você pode perder ou ganhar uma venda. Isso porque, no e-commerce, a sua loja virtual é o seu vendedor e, cabe à página de produtos ser uma boa vendedora para conseguir transformar visitantes em clientes.

A página de produtos é um dos seus maiores aliados na hora de aumentar a taxa de conversão do seu site. A página de produto precisa ser atrativa o suficiente para o cliente enxergar seriedade na sua empresa e, ao mesmo tempo se encantar com os seus produtos.

Pensando nisso, nós da Rakuten elaboramos uma série de dicas para que você transforme a sua página de produtos no estado da arte do e-commerce.

#1. Uma imagem fala mais do que mil palavras.

Na internet o texto de descrição do produto não é o suficiente para fechar uma venda. O produto precisa de fotos fantásticas para fechar a compra.

Imagens em alta resolução, imagens tratadas com software de tratamento de imagens, recursos de visualização de fotos em 360 graus, e possibilidade de dar zoom nas fotos são alguns dos recursos que você pode usar imediatamente incrementar o destaque das fotos na página de descrição dos produtos.

#2. Foco nos vídeos.

Os vídeos de produtos serão a próxima grande coisa no comércio eletrônico. É muito mais fácil para o cliente clicar em PLAY em um vídeo e  assistir a tudo que o produto tem a oferecer ao invés de sair lendo tudo que encontrar sobre o produto.

Além disso, ao trabalhar com vídeos a sua loja irá ganhar mais um canal de divulgação, o YouTube – uma vez que você pode armazenar ou promover o seu vídeo por lá.

Você não precisa fazer uma vídeo-aula sobre o produto, nem uma mega produção. Vídeos curtos que mostram as principais funcionalidades do produto, os diferenciais e uma pequena avaliação de pontos fortes e fracos já são muito interessante para ajudá-lo na decisão da compra.

#3. Vá além das descrições dos fornecedores.

Os fabricantes de produtos dificilmente conseguem escrever descrições de produtos realmente relevantes para o consumidor final. A grande maioria das descrições de produtos feitas por fabricantes falam de si mesmos como líderes de mercado, melhores do mundo etc. Uma vez que essas informações são muita parecidas entre todos os fabricantes, fica difícil para o consumidor perceber quem é realmente diferente.

Você pode agregar valor ao cliente e ao próprio forncedor ao reescrever as descrições de produtos usando a linguagem do consumidor. Se você estiver falando sobre um tênis para skate, diga como ele é, qual o melhor jeito de usá-lo e como mantê-lo conservado. Da mesma maneira, se estiver falando sobre um vinho de mil reais, diga sobre como ele se comporta, como VOCÊ – e não o fornecedor – recomenda que ele seja consumido e, como você avalia o produto.

#4. Diga a verdade.

Você precisa ser sincero. Se você disser que todos os tênis para skate que você vende são ótimos, duradouros, eficientes e que o cliente não pode deixar de comprá-los, o consumidor perceberá que você está mentindo. Mas, se você, na sua resenha, falar que o tênis X é bom para X modalidade de skate, o cliente vai perceber que você fala a verdade.

Use a sinceridade na hora de vender. Dizer a verdade é o primeiro passo para criar um vínculo de relacionamento entre sua loja e o cliente.

#5. Deixe seus clientes transmitirem a sua opinião.

Grande parte dos clientes da Rakuten em todo o mundo preferem ler a opinião de outros clientes antes de comprar. Por isso, incentive os seus clientes a produzirem resenhas de produtos em formato de texto ou vídeo. Premie os melhores clientes resenhistas, envie e-mails para incentivar os clientes a resenhar os produtos que compraram.

As resenhas dos clientes é uma das fontes de informação mais poderosa que o consumidor poderia ter.

#6. Dê destaque às informações relevantes.

Frete, prazo para entrega, disponibilidade do produto e formas de pagamento são informações ultra relevantes para quem vai comprar um produto.  Ao deixar uma dessas informações fora da página de detalhe do produto, você perderá clientes.

Muitos lojistas dão uma importância muito grande ao botão COMPRAR na página de detalhe do produto e esquecem de dar ênfase – em algum lugar visível e de destaque – para essas informações que têm grande poder na hora do cliente comprar.

Por isso, assegure que as principais informações sobre pagamento e entrega do produto estejam tão visíveis quanto o botão de compra.

Não adianta colocar essas informações no final da página e fazer o cliente ir até para se informar. Se elas não estiverem visíveis e, de fácil encontro, seus clientes vão abandonar a página do produto antes mesmo que ela termine de carregar.

#7. Link com as redes sociais.

A sua loja precisa interagir com as redes sociais. Se há três anos atrás, Twitter, LinkedIn e Facebook eram apenas um rumor, hoje elas são realidade.

Além disso, não são apenas essas três grandes redes que os clientes usam. Você pode, por exemplo, dar a possibilidade do cliente enviar a sua foto com o seu produto no site e, nessa hora tem muita gente que utiliza muitos aplicativos diferentes, como o Instagram. Algumas lojas já fazem isso. Você envia a sua foto e ganha um pequeno desconto (algo em torno de R$ 1,00 ou R$ 2,00) na sua próxima compra. Além de estimular a participação dos clientes, isso faz com que os clientes queiram divulgar a sua página de produto nas redes sociais para os amigos verem as fotos publicadas na loja virtual.

Essas pequenas dicas certamente farão os clientes olharem para a sua página de produto com outros olhos. Com isso, a sua página de produto será muito mais do que uma mera página de exposição.

Este post foi escrito por mim e pelo Ricardo Jordão Magalhães e publicado originalmente no Blog da Rakuten.

Anúncios

Você e a Mídia Social.

A mídia social inicia o ano de 2010 mais do que presente na vida das pessoas. No lazer, nos negócios, no networking. Aumentando a forma de compartilhar conhecimento, aumentando as possibilidades de comunicação, disseminando informação e, obviamente, se transformando em um vício para as pessoas.

Sendo assim, se você está disposto a evoluir, tem que aceitar a presença disso na sua vida. Sem fugas, sem medos, sem preconceitos. Se você quer um exemplo das mil-e-uma utilidades das mídias sociais, pelo Twitter se pode, além de conseguir leitores e seguidores (o que já é bem proveitoso), conseguir contatos de trabalho – vagas são anunciadas a todo momento por lá  e, inúmeras empresas de RH tem um Twitter para, além de divulgas oportunidades, saber o que os potenciais candidatos aos empregos pensam e dizem. Além disso, por lá é possível estar próximo a um grande líder de uma corporação, do presidente da empresa em que você sonha em trabalhar e, essa poderia ser a forma mais fácil de se aproximar. Até apartamento já foi vendido pelo Twitter.

E então, alguma dúvida de que as mídias sociais vieram pra ficar?

Se você está atrasado, veja abaixo algumas maneiras de levar a sério a mídia social:

1. Pare de contar fãs, seguidores, e assinantes do seu blog como cabeças de gado. Pense, ao invés disso, sobre o que você está esperando conseguir através deles e com a comunidade que realmente se preocupa com o que você está fazendo;

2. Aprenda a medir as coisas, e parar de dar desculpas das coisas que você não está fazendo. Saiba qual o  resultado a sua presença está lhe proporcionando. Saiba medir e, parar de dar desculpas pelas coisas que não está fazendo. Arregace as mangas e comece o trabalho;

3. Saiba o que os estudos de caso pode e não podem fazer por você. Pare de dizer que não há bastante deles e procure casos semelhantes com o seu. Vá ao Google e procure como aumentar os leitores do seu blog; como atigir pessoas de um outro estado; procure como o Orkut, o YouTub ou o Facebook aumentou o faturamento de uma empresa concorrente. Busque inspiração e solução e saiba o que fazer e o que não fazer;

4. Entenda a diferença entre fazer um case de negócios de mídia social e seguir moda. Se você não sabe como explicar quais os impactos da social mídia fora da empresa faça um esforço para aprender ou para descobrir. Caso contrário, nada fará sentido;

5. A mídia social não faz milagres. Você precisa produzir, criar, recriar e repassar conteúdo. Reputação é a única coisa que vai lhe ajudar a abrir algumas portas. Nada de preces ou milagres;

6. Utilize a mídia social metodicamente e com o mesmo cuidado que você faria com qualquer outro negócio de investimento que você faz. Analise todos os riscos, meça as oportunidades e seja pragmático o suficiente para saber onde investir;

7. Saia para o jogo, antes que ele comece e você não perceba. Faça apenas aquilo que condiz com 0 seu negócio. Seja coerente, fale apenas o que você faz, e faça apenas o que fala;

8. Pensar a longo prazo, e se comprometer com ele. Você não terá milhares de amigos de uma hora pra outra. Muito menos, milhares de seguidores. Trabalhe no agora, pensando no futuro. Pense no longo prazo sempre. Aja hoje, com o foco no que aquilo pode desencadear daqui a um ano. Futuro sempre;

9. Concentre-se no que você é bom. Conheça o seu core business e busque potencializá-lo através da social media. Não saia atirando pra todos os lados.

10. Reconheça que erros não devem lhe paralisar. Reconheça que existem maneiras de se recuperar. Ter um plano para se levantar é a chave, ao invés de tentar evitar o fracasso em todos os custos (incluindo estagnação).

Ataque de Pânico.

Fede Alvarez, um uruguaio, há pouco mais de um mês, colocou no YouTube um vídeo chamado Ataque de Pânico. Um vídeo de ficção científica que foi produzido com algo em torno de US$ 300,00. O vídeo foi se viralizando pela internet com tanta força que, em pouquíssimo tempo MILHARES de produtores já tinham conhecimento do tal vídeo.

O vídeo poderia ser apenas mais um vídeo. Apenas mais um das dezenas de centenas de milhares de vídeos que são upados diariamente pelos infinitos usuários que o YouTube tem.

MAS, quando Hollywood tomou conhecimento de Alvarez e teve acesso ao seu grande talento, ao seu grande potencial de transformar poucos dólares em cinco minutos bem editados, os e-mails começaram a lotar a caixa de entrada de Fede Alvarez.

E, nessa brincadeira toda, o talento, além de ser viralizado pela internet, foi muito mais além. O resultado de tudo isso é que o talentoso Fede Alvarez,  descoberto pelo diretor Sam Raimi, “apenas” o cara da trilogia “Homem-Aranha” e “Evil Dead”, Fede Alvarez agora vai receber 30 milhões de dólares para produzir um longa de ficção científica, além de um contrato com um estúdio de Hollywood, a Ghost House Pictures.

Mais um exemplo das infinitas possibilidades que rondam as mídias sociais e suas muitas possibilidades de se mostrar talento, criatividade e inovaçao…

As Mídias Sociais e Você: Os Fundamentos do Monitoramento Social.

Análise Competitiva.

A mídia social pode ser uma forma ultra eficaz para manter uma diferença competitiva entre você e seus concorrentes. Dependendo do trabalho que você realiza por lá (mídias sociais), além de espionar seu concorrente você pode, facilmente, torná-lo irrelevante, com uma eficaz análise competitiva.

O tipo de informação que elas podem lhe revelar, através de um correto estudo (seu e da concorrência) pode valer o seu peso em ouro. Por muito tempo, era muito mais difícil saber o que os seus concorrentes estavam aprontando. Depois de facebook, twitter, youtube e companhia limitada, ficou muito mais fácil monitorar a ação da concorrência, e garantir para que você possa estar na frente.

Não é difícil descobrir estratégias e táticas específicas de seus concorrentes que, certamente estão em algum lugar na esfera social.

Ficar atento às novidades da social media lhe garante, no mínimo poder acompanhar a concorrência através de uma análise competitiva à distância, mas muito eficaz. É só estar antenado e manter-se conectado.

Desenvolvimento de Produto.

Há algum tempo atrás (muito pouco, na verdade), quando uma empresa queria a opinião do público para novas ideias de produtos, recorriam ao seus consumidores através de pesquisas de grupos de foco e outras agências de inteligência e investigação do comportamento do consumidor.

Agora, tudo está online. Você e o cliente, sem nenhum intermediário. Assim, é muito mais fácil ter contato direto e sem intercepções sobre o que, realmente, o seu cliente está pensando, e ESPERANDO de você. Basta você entrar em contato com eles, através das mídias, e aprofundar o relacionamento para conhecê-lo verdadeiramente.

Depois? Depois é questão de transformar opinião em inspiração.

Gestão de Reputação.

Quando as pessoas falarem sobre mídia social, onde você quer estar? Dentro ou fora do assunto? Se você estiver online onde o seu cliente está, será muito mais fácil monitorar o que pensam de você e, principalmente, reverter tudo isso.

Opiniões e manifestações contra, estão por todo lado. MAS, online, no twiter, no facebook, ou seja lá onde for, você tem grandes chances de colocar POR TERRA toda a BURROCRACIA existente entre cliente e empresa, entre a sua marca e quem usa.

Assim, fica muito mais fácil estabelecer uma reputação de cultura da empresa focada no cliente, focada em ser revolucionária, em ser um tesão, em ser DIFERENTE de tudo aquilo que existe. A sua chance é ser irreverente, é ser jovem, é ser cool. Se você for assim, atrairá pessoas iguais e, estará sempre dentro dos assuntos que irão destacar você e sua marca pelos seus diferenciais.

Basta você apenas INTERAGIR com clientes e pessoas, ao invés de REAGIR com eles.

Extensão.

Os benefícios da mídia social são evidentes. Usar blogs, redes sociais e pessoas a seu favor, interagindo e monitorando tudo que acontece SEMPRE será porveitoso.

Estar antenado e participando é a melhor maneira de escobrir EVANGELISTAS de sua marca, de vendedores que não são funcionários, de ENTUSIASTAS e clientes apaixonados.

Transformar os clientes e potenciais clientes em fãs, e depois em EVANGELISTAS pode ter um grande impacto sobre a valorização de sua marca. Comece hoje a interagir com o seu público online e a trabalhar a marca de sua empresa online, junto de quem realmente importa, o cliente.

Se você não sabe por onde começar, aqui vão algumas dicas:

1. Enviar a um blogueiro que falou sobre você um produto grátis (ou uma amostra grátis);

2. Vincular os textos sobre você e sua marca em seu site principal, direcionando os usuários para o site do autor dos autores dos artigos;

3. Criar a sua própria rede social.

Esteja disponível, atualizado e inovando. Clientes não dão valor às marcas que pararam no tempo. As mídias sociais serão seu novo porta voz e relações públicas. A diferença é que o impacto é imediato.

Para MELHOR ou para PIOR. A escolha é sua.