Acontece nas Melhores Equipes…

Nenhuma equipe está a salvo das crises. Funcionários, muitas vezes, aparentam ser de uma maneira e, depois de um certo tempo podem concretizar uma falsa promessa.

Funcionários são contratados pelo que fizeram e pela promessa de realização futura. Porém, o tiro pode sair pela culatra. Curriculum e entrevista de empregos podem facilmente sabotados e, pode ser que, o funcionário não renda e não chegue nem perto da expectativa da empresa que o contratou.

Outrossim, você pode ter a MELHOR equipe de trabalho do mundo. Mesmo assim, ninguém está a salvo para sempre.

A crise pode surgir por conta do ambiente interno (funcionários, rendimento, inveja, comparação, compromisso, determinação, pontualidade, metas, raxa na equipe e TUDO mais que você possa imaginar). Motivos para uma crise abalar uma equipe de trabalho não faltam e, podem surgir quando se menos imagina.

Fatores externos também podem surpreender uma equipe. A crise, que pode surpreender até a melhor equipe do mundo; um cliente que deu um calote e não pagou pelo que comprou; alguma notícia política ou informação sobre a área de atuação; reclamações e etc. Do mesmo jeito que uma crise influenciada por fatores internos, também os fatores externos podem vir de todos os lados e, surgir quando menos se imagina. Mesmo quando tudo está num mar de rosas…

E como ficam os líderes nisso tudo? Qual é o comportamento que eles devem adotar nessa brincadeira toda? Abaixo, algumas dicas de como reagir a uma crise dentro de sua equipe de trabalho.

Lembre-se, que como líder, VOCÊ é o responsável pelo exemplo.

1. Acalme-se. Com certeza, você já ouviu isso muitas vezes de seus colegas, pais, cônjuge. E com razão, pois, quando você fica nervoso, frustrado, desapontado, essas emoções começam a desligar algumas partes de seu cérebro, inclusive aquelas responsáveis por analisar, raciocinar e resolver problemas. Por isso a importância de se acalmar. Respire fundo, ouça o que todos têm a dizer sobre a questão e pense apenas nas possíveis soluções.

2. Tenha confiança em si. Quando as coisas dão errado, é natural se culpar. Não alimente esse sentimento, pois você já viu os malefícios da frustração no primeiro item. Concentre-se no fato de que você pode fazer qualquer coisa se colocar sua mente e coração nisso. Lembre-se das vitórias que já teve em sua carreira;

3. Ouse seguir em frente. O medo de fracassar, de piorar as coisas, faz com que as pessoas entrem em choque e não consigam fazer nada. Seja o medo de falar com o diretor-geral ou de lidar com clientes insatisfeitos, não importa, a única maneira de parar de ter esses problemas é enfrentando-os;

4. Assegure-se de que você conhece os fatos. Você não pode resolver um problema se não souber exatamente o que ele envolve. Durante crises, é comum as pessoas irem atrás de soluções para questões acessórias ou conseguir dados que não auxiliam em nada. Pergunte-se qual é a questão central do problema, consiga informações exatas antes de se desesperar;

5. Assuma o controle. Não importa o quão grave seja a crise ou quem ela atinja, aprenda a assumir a responsabilidade total sobre ela. Líderes devem assumir a responsabilidade até para ter poder para encontrar e aplicar as soluções. Não perca tempo culpando outras pessoas, assuma sua responsabilidade pelo que vai acontecer dali para frente. Isso ajuda sua mente a focar e seus pensamentos permanecerem claros para encontrar a melhor solução.

Anúncios

Os Princípios do Pensamento Criativo.

1. Atitude. Atitude é um componente chave de todo empreendimento vitorioso. Como disse Henry Ford: Se você acredita que pode, você está certo. Se acredita que não pode, você  também está certo. Atitudes positivas são fortes catalisadoras de energia criativa e agregadoras de habilidades e talentos. Ver-se como uma pessoa criativa é um passo importante para liberar sua imaginação e aproveitar plenamente suas habilidades e conhecimentos.

2. Desafie as suposições. Conscientemente ou inconscientemente, nós temos crenças que nos impedem de usar a imaginação e resolver os problemas criativamente. Também somos afetados pelas crenças de outras pessoas que nos pressionam para sempre seguir os caminhos convencionais e não fugir da mesmice. Na solução um problema, é importante identificar e listar as suposições, convenções e crenças que afetam a sua compreensão, análise e solução. Examine-as criticamente e se livre das que não são verdadeiras ou que se tornaram obsoletas.

3. Quebre as regras. Certamente não podemos quebrar todas as regras, mas na solução de problemas e na inovação é importante questionar as regras, especialmente quando elas aprisionam nossa mente a velhos hábitos e modos de pensar. Muitas vezes, para seguir adiante é necessário abandonar a estrada principal e tentar caminhos nunca percorridos.

4. Não tenha medo de errar. Quem não se arrisca, não petisca – nos ensina o velho ditado. As grandes invenções raramente resultam de um golpe da sorte, mas usualmente de uma sucessão de tentativas frustradas até se chegar ao resultado desejado. O antiferrugem WD 40 tem este nome por que a solução somente foi atingida na quadragésima tentativa. Ela foi precedida de 39 tentativas sem resultados satisfatórios.

5. Há sempre mais de uma solução certa. Na escola somos ensinados que há uma única solução certa. Na realidade, com muita frequência há mais do que uma e, muitas vezes, a primeira resposta que nos ocorre é a menos criativa. Esforce-se para procurar outras soluções de forma que você tenha várias opções para comparar e escolher a melhor.

6. Suspenda o julgamento. O julgamento prematuro é o caminho certo para bloquear a criatividade. É essencial separar a fase de geração de ideias da fase de julgamento, pois não se pode dirigir com um pé no acelerador e outro no freio. No trabalho em equipe, deve-se ficar atento para os comportamentos que desencorajam as contribuições dos participantes, bloqueiam suas mentes e minam o espírito de equipe.

7. Persistência. Experimentar e ter alguns fracassos faz parte do processo de geração de ideias e inovação. O segredo do sucesso está na constância de propósito, em manter-se firme apesar dos percalços no caminho. É oportuno lembrar as palavras do historiador grego Herodoto que viveu no século 5 AC:Alguns desistem de seus projetos quando estão quase atingindo seus objetivos; enquanto outros, pelo contrário, obtêm a vitória empregando, no último momento, esforços mais vigorosos do que antes.

A Prática da Liderança.

Uma pesquisa do Centro da Liderança Criativa (Center for Creative Leadership) que entrevistou  2.200 líderes de 15 organizações, em três países entre 2006 e 2008 produziu alguns resultados interessantes. O projeto de pesquisa foi concebido para responder às seguintes perguntas:

1. Quais as habilidades de liderança são essenciais para o sucesso?

2. Quão forte são atuais líderes nessas habilidades críticas e perspectivas?

3. Como esta alinhada a força de hoje e a liderança com as habilidades mais importantes para o futuro?

A pesquisa identificou os seguintes sete competências como mais críticos para o sucesso, agora e no futuro

1. Liderar pessoas: dirigir e motivar as pessoas;

2. Planejamento estratégico: traduzir a visão em estratégias de negócios realista, incluindo os objectivos a longo prazo;

3.Gerir a mudança: utilização de estratégias eficazes para facilitar a mudança organizacional;

4. Compromisso na Inspiração: reconhecer e recompensar as realizações dos trabalhadores;

5. Desenvoltura: trabalhar efetivamente com a gestão de excelência;

6. Fazendo o que for preciso: a perseverança em condições adversas;

7. Tendo um rápido aprendizado: aprender rapidamente novos conhecimentos técnicos ou de negócios.

A conclusão da pesquisa?

Os líderes não estão preparados adequadamente para o futuro. A capacidade de liderança de hoje é insuficiente para atender às exigências de liderança no futuro. Este achado é consistente em todos os países e organizações de quaisquer níveis.

Depois destes resultados, resta-nos apenas a seguinte reflexão:

1. O que estamos fazendo pessoalmente para melhorar nossas habilidades de liderança?

2. O que estamos fazendo para ajudar os outros a melhorar suas habilidades de liderança?

3. Se estamos agindo, estamos fazendo o suficiente?

10 Tendências de Comportamento das Classes, C, D e E.

1. Consumidor de inclusão: Estas classes têm uma forma própria de comprar que surge da descoberta do consumo. As marcas devem que forem atentas e apresentarem um novo universo de consumo terão bons resultados. Agora, as classes C, D e E tem o poder de escolha, pois seu poder aquisitivo tem melhorado.

2. Identidade e auto-estima: A base da pirâmide está mais consciente da sua importância na sociedade e valorizarão cada vez mais as suas conquistas enaltecendo a relação com as suas origens, sua história e suas características.

3. Acesso e Qualidade: Como seu poder aquisitivo está maio, poderão exigir mais. Melhor qualidade de atendimento, de produto e melhor qualidade de vida. Bom atendimento não é mais um diferencial e sim uma obrigação. As empresas que souberem utilizar melhor o custo-benefício sairão na frente.

4. Educação como investimento: Estas classes estão cada vez mais conscientes de que, com a educação podem conquistar mais. Assim investirão cada vez mais na educação dos filhos.

5. Juventude e geração C: Os jovens nessas classes estão mais escolarizados, informados e economicamente ativos que seus pais, formando futuramente uma nova geração de consumidores com hábitos de consumo diferentes da atualidade. O Brasil de amanhã terá mais as características dos jovens da atual baixa renda.

6. Vaidade e beleza como inclusão: Agora, as classes mais baixas terão mais acesso a produtos de beleza e estética, criando uma tendência que as empresas precisarão se adequar.

7. Novos Papeis, nova família: Os papéis dos homens e mulheres já não são mais os mesmos. Com o crescimento do poder (consciência, status e renda) as mulheres da baixa renda, estarão mais independentes e construirão uma outra relação familiar. Isso implicará no desenho de uma nova família, cada vez menor e com uma renda per capita maior.

8. Redes, dicas e boca a boca – As classes baixas sempre dependeram mais uns dos outros para viver, ou seja, cresceram e aprenderam a conviver em um ambiente colaborativo. Aliada as novas tecnologias e a disseminação das redes sociais, a baixa renda potencializará as suas já extensas relações sociais.

9. Capilaridade e segmentação – A geografia dos bairros e os diferentes tipos sociais das pessoas de baixas renda, exigem diferentes formatos de produtos e distribuição das cias. Os canais de venda deverão ter maior capilaridade, e as marcas trabalharão produtos segmentados para uma grande massa de consumidores.

10. Tecnologia como investimento – A penetração de tecnologia da informação está em plena expansão nas classes baixas, principalmente através dos jovens populares. Tecnologia é vista como investimento no futuro profissional e como canal de acesso as informações antes restritas a minoria da população brasileira.

07 Dicas que os Executivos Deveriam Aprender com os Vendedores.

1. Enxergue a companhia em que você trabalha como um cliente. Coloque esse cliente no centro de sua estratégia.

2. Invista em relacionamento com pessoas-chave na organização. Não existe negócio B2B, e sim de pessoa para pessoa.

3. Seja um bom comunicador. A comunicação deve ser uma via de mão dupla. Tão importante quanto falar é saber ouvir para diagnosticar bem as necessidades de seu cliente e, então, propor uma solução e apresentar seus benefícios.

4. Comunicação se faz com conteúdo. O tapinha nas costas deixou de ser a principal ferramenta do vendedor. É preciso conhecer muito bem as vantagens (e desvantagens) do que você quer vender para não ser pego de surpresa.

5. Organize seus contatos e não deixe o negócio esfriar.

6. Um vendedor trata a credibilidade como seu maior ativo. Você não deve prometer o que não sabe se pode entregar.

7. Adapte-se. Um bom vendedor precisa adequar sua estratégia a cada tipo de cliente.

Dez Atitudes dos Melhores em Vendas.

1. Todos os dias preparam-se psicologicamente, inundando sua mente com pensamentos positivos, não deixando espaços para os negativos. Sempre acreditam em si e na sua grande capacidade de realização. Nunca falam frases do tipo “hoje o dia vai ser ruim” ou “com essa crise as vendas ficam difíceis”.

2. Visitam ou recepcionam os clientes com entusiasmo e de cabeça erguida, pois gostam do que fazem e têm segurança no que falam, conquistando rapidamente a confiança deles, graças ao alto nível de conhecimento técnico.

3. Andam sempre um quilômetro a mais, não dando ouvido aos colegas acomodados, que vivem dizendo que não vale a pena pela falta de reconhecimento. Primam pela qualidade dos serviços e sempre fazem, com satisfação e voluntariamente, mais que a obrigação

4. Conhecem a fundo os seus clientes, mercado, concorrência etc. e estão sempre atentos ao que acontece com eles no dia a dia, de modo a se readaptarem rapidamente a uma nova situação motivada por qualquer adversidade.

5. São cumpridores de prazos, não deixando seus clientes ou sua empresa na expectativa de promessas não cumpridas. Não deixam para amanhã o que pode ser feito hoje, pois além de comprometidos são disciplinados.

6. Aceitam o “não” com naturalidade, pois são conscientes de que a negativa do cliente não é definitiva, mas apenas o começo da negociação. E o vendedor profissional gosta de desafios e um dos principais deles é converter os vários “nãos” dos clientes em “sim” diariamente.

7. São bons competidores e vencedores. Em vez de perderem tempo e energia reclamando e falando mal dos concorrentes, estão sempre agindo com profissionalismo, ética e respeito. Com essa atitude, ganham a confiança e também o respeito dos clientes.

8. Em vez da zona de conforto, preferida pelos vendedores comuns, adoram a zona de aprendizado, pois sabem que esta é que conduz qualquer profissional ao sucesso. Portanto, estão sempre em busca de novos aprendizados e desenvolvimento profissional. Do mesmo modo, estão sempre prospectando, visitando clientes e fazendo pós-venda.

9. São conscientes de que não são indispensáveis, mas fazem a grande diferença para os clientes e sua empresa, por serem praticantes da relação ganha-ganha. Com isso, mantém uma carteira de clientes de longo prazo e garantem a sua estabilidade no emprego, tão questionada e inconstante para os vendedores comuns.

10. Estão sempre dando um verdadeiro show, assistido e aplaudido por uma grande platéia de clientes encantados e fiéis, através do excelente atendimento, prestação de serviços e assistência. Por isso, com crise ou sem crise, estão sempre vendendo bem e usufruindo de suas merecidas e gordas comissões.

O Corpo Fala? Dane-se!!

SIM. O corpo fala. Agora pegue essa verdade, compre o livro e vai treinar com as meninas na balada. Lá esse tipo de coisa dá certo. Se ao você falar a menina inclinar o corpo em sua direção, ela está interessada, se a direção de seus pés estiverem ao lado oposto do seu, já era! Braços cruzados então, CORRA! Se a menina colocar a bolsa na sua frente, está com vergonha, medo, retraída e pode estar incomodada. Se tiver sentada de perna aberta, vai que é sua! Agora, pare por aí por favor. Por que se a linguagem do corpo fosse realmente tão importante assim, tirariam as nossas bocas.

A linguagem corporal é IMPORTANTE? NÃO! A postura é importante? SIM. Mas, acima de tudo vem as pessoas, as mensagens diretas, o talento, a força de vontade, a garra e a determinação. Por que se fosse pra julgar uma pessoa pela camisa preta ou rosa, o resto não importa. Julgar o contexto pelo detalhe é ignorância e burrice. Julgar idéias pela idade, pela forma é preconceito é acreditar que por que nossa camisa é mais engomada somos superiores. Pelo que eu saiba, a inteligência ainda é medida pelo cérebro e pelas atitutes, não pela marca do sapato. Ou vai me dizer que o homem que voltou a ser o mais rico do mundo, Bill Gates é um exemplo de elegância? Nem se tentasse. Com tamanha feiura, IMPOSSÍVEL. Imagine se alguém ficasse reparando em seus cagoetes? Hoje, talvez não estaria escrevendo nesse blog. Sabe-se lá!

Wou.. homens bregas e mulheres têm aos montes. Quer uma prova? Ande por São Paulo, em qualquer lugar às 18:00h. Querer que todos sejam chiques, bonitos, elegantes, sensuais e ótimos alunos de etiqueta é a mesma coisa que querer um mudo igual, com pessoas iguais, niveladas pela APARÊNCIA, o que eu acho um absurdo. As modelos miss universo são lindas, deslumbrantes, chiques e um exemplo de como se vestir, se comportar e bla, bla, bla. Mas diabos, elas sonham com a paz mundial até hoje! Falam errado, não completam os estudos e são as grandes culpadas por grande parte do preconceito contra as mulheres.

MAS, chega uma hora em que as pessoas caem de suas cadeiras, onde o talento vence o preconceito, o cinismo, a antipatia e a arrogancia. SIM… o que importa é o talento, o treino, a capacidade, a luta e a vontade. Uma das poucas lições que meu pai me deu foi que NINGUÉM é obrigado a ter a melhor roupa, a mais cara, a mais nova. Sua roupa pode estar remendada, pode estar velha, pode ser apertada ou larga. Só precisa estar LIMPA!  A única coisa que precisa estar a todo vapor é você, sua cabeça, seu cérebro e sua vontade.

E pra fazer eu me regojizar existem pessoas como Susan Boile e Paul Potts. Sim. Pessoas diferentes, talvez um pouco esquisitas, mas que no quesito que mais importa tiram a nota dez: talento e dedicação. Ninguém nasce bom, nosso treino e nossa vontade nos torna bons. Susan é uma senhora de 47 anos, gordinha, totalmente ao avesso dos padrões de beleza norte-americanos. Paul então, nem se fala. Além disso tudo, é super tímido. MAS, FELIZMENTE calaram a boca de todo mundo do pior jeito possível, COMPROVANDO que por mais que o corpo fale, quem grita é a voz. E a ALMA, e o CORAÇÃO.

Eu conhecia os vídeos há muito tempo. São grandes cases de sucesso de virais. Mas o que importa por trás disso tudo são as histórias. As histórias e lições que podemos tirar. A Susan continua sendo uma senhora de 47 anos espalhafatosa e um pouco acima do peso, mas se você não ouví-la cantar, quem sai perdendo é você. O Paul continua sendo simples e tímido, com nenhuma auto-confiança, mas ouví-lo nos traz uma paz incrivel. Eu, continuarei usando minha camisa cor-de-rosa. Será que algum cliente não vai me receber por conta disso?? É uma pena!

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

O Vencedor do Reality Show.

Esse post é uma síntese/inspiração do livro Brasileiros Pocotó, de Luciano Pires, que estive lendo. O livro é uma pílula de conscientização da atitude brasileira. Brasileiro tem mania de ser autocrítico, mas apenas com os outros. E cai na mediocridade, mas só olha o rabo do vizinho. O livro é uma compilação de artigos, sobre pensamento, atitudes, política, esportes e COMPORTAMENTO do povo brasileiro. De todos. Por isso vou usar todo bom-humor, toda irreverência e toda revolta do Luciano, todo conhecimento e toda energia que ele passou pra mim com esse livro e fazer uma síntese sobre o vencedor do reality show, sobre a IMPORTÂNCIA em ser COSMÉTICO num lugar commodity.

As pessoas desistiram da faculdade. Trancaram matrícula no segundo período, ainda mais se a faculdade for privada, mais um motivo. Afinal, com esse dinheiro podemos comprar um carro, ou até uma casa. NÃO. Mas o que importa é ter dinheiro pro silicone. Pra turbinar os peitos, pra fazer uma lipoaspiração, uma redução de estômago, tirar uma costela e ficar parecendo uma boneca. Barbie? Não sei.. só sei que a moda é essa entre as meninas. Meninas com menos de quinze anos querem ter peitão, bunda grande ou cintura fina. BARRIGA?? Nem pensar, afinal, você é aquilo que aparenta. Não sabia que a inteligência tinha descido aos seios. E NÃO DESCEU!

Hoje é comum as meninas saírem das maternidades com as orelhas furadas. MAS, não vai demorar muito até os hospitais oferecerem as opções piercing e tatuagem. Afinal, já que elas vão fazer mesmo quando crescer, sente a dor quando são recém nascidas, já que é menos sofrível. Já tá virando regra mesmo. Aqui em São Paulo, em cada DEZ meninas que eu vejo, SEIS, no mínimo já estão assim, com NO MÍNIMO, um piercing e uma tatuagem. E as que têm, compensam as que não têm. Somos uma sociedade plástica. Meninas de dez anos grávidas, mulheres de quinze declarando que quando completarem dezoito vão fazer um filme pornô (eu conheço!), fotos vazando na rede, e as maria-chuteiras como inspiração. É, a coisa tá feia.

O mundo mudou depois da éguinha pocotó. INFELIZMENTE. Piorou bastante. Agora temos as mulheres frutas, a moda do topless, das meninas sem calcinha e vamo que vamo.. afinal, crescemos com bundas balançando nas nossas mentes e a lavagem cerebral funcionou. Hoje, ficou o legado, e as bundas estão balançando cada vez mais rápido ao som da velocidade cinco (ou seis) do créu. Haja disposição. E as meninas usam batom, sombra, delineador, creme de chocolate suíço e chapinha marroquina pra irem ao colégio. Afinal, vivemos em um enorme desfile de moda, se não nos maquiarmos, as meninas mais novas roubam os nossos namorados. Afinal, as professoras nos inspiram a ser como elas. Professoras?? É.. deixa pra lá! Tem gente que acha normal dar aulas de short. Deve ser por isso que os alunos chamam de gostosa, tiazinha e não de professora. Afinal, desde os tempos da rainha do bumbum que a bunda está aí. Que mal há em mostrar. Meninas de cinco anos pintam as unhas e bebem coca-cola. Fico me perguntando com quantos anos vão começar a fumar, por que agora essa porcaria voltou a ser moda. Será que estamos ficando altamente cosméticos e sem nenhum conteúdo. É o que parece.

Sabe pra que pintar as unhas aos cinco anos, se maquiar na quinta série pro namorada PENSAR que namora uma mulher (que realmente, muitas vezes já é mulher), colocar silicone aos quinze e tirar uma costela aos dezoito? Pra aos vinte, entrar no reality show. LEI DA OFERTA E DA PROCURA! Então as inscrições estiverem abertas, existiram pessoas assim. O que importa é ser bonito, saber fingir, ser político, ser amigo de todo mundo, manipular, por que no final, VALE A PENA. Antigamente as pessoas eram reconhecidas pela inteligência, talento, força-de-vontade, hoje são conhecidas pela MALANDRAGEM. E olha que transborda talento pelas ruas do país. Não tanto quanto silicone, mas é só procurar nos lugares certos que agente encontra. Gabriel – o pensador está certo – não tenho mais “nádegas a declarar”.

Há pouco tempo atrás, o ano começava no dia 1° de Janeiro, depois foi prolongado para o pós-carnaval. E hoje, o ano só começa de verdade, depois da final do BBB. É triste, mas é verdade, e é a relidade brasileira atual. Mas vamos mudar isso. Afinal eu, e mais um montão de gente estamos quase sendo atropelados por que andamos na contramão dessa brincadeira toda. Um dia venceremos o duelo cérebro versus silicone. Mas que estamos apanhando feio até agora, (ah!) como estamos…

siliconegeneration